NPCs – São Paulo

Comentários desativados em NPCs – São Paulo


Silva, João Silva


Luiza


Arisclésio, o empresário


Matilda Pascovate


Claudio e Carla Pralinni

Principe Adamastor

Mãe Odalia de Ogum e pai Vavá de Iansã

História, Personagens maio 24th 2010

Richard Harris, o estranho

Comentários desativados em Richard Harris, o estranho
Richard Harris é um músico que há tempos não faz sucesso. Apesar de ter escolhido o Brasil como seu lar, nasceu na Inglaterra ou País de Gales – ninguém sabe ao certo – e andou frequentando alguns grupos interessados em Crowley, além de ávido colecionador de relíquias nazistas e detêm uma grande coleção de discos de rock e jazz.

No Brasil fez sucesso no anos 70 tocando música brega, apesar de detestar o gênero, que lhe rendeu uma bela fortuna. Após quatro LPs, milhões de cópias vendidas e muito dinheiro, voltou para a Europa, onde se estabeleceu alguns anos na Escócia.

Desde então, ao retornar o Brasil construiu uma exótica moradia, batizada de “Glass Spider” (Aranha de Vidro), onde a casa – parecida com uma redoma de vidro – é sustentada por oito pilares de aço. Mora sozinho, há 80 km de São Paulo, onde recebe poucos amigos.

Cultiva alguns hábitos irregulares, ouve música o dia inteiro, embora não em tom alto e vive tendo pesadelos e apresenta traços de paranóia.

Está obcecado por uma história de bandidos que fabricam “art crime”, obras de artes com pedaços do corpo humano e coleciona bom arquivo sobre uma das suspostas chefas e líderes do movimento, Ramona A. Stone, mulher tão bela quanto misteriosa e má.

Os dois se encontraram apenas uma vez, em uma reunião em Aberdeen, quando ela o seduziu. Richard, porém, conseguiu sair daquele estado de hipnose provocado pela beleza e pelos olhos da bela fêmea e nunca mais a viu.

Até receber uma estranha carta dela. Como descobriu seu endereço e seu nome real, não faz a menor idéia…

Geral, Personagens fevereiro 5th 2010

Boso, o Palhaço

Comentários desativados em Boso, o Palhaço
São Paulo, Brasil

O jovem Luiz Roberto chega aos estúdios do STB (Sistema de Televesião Brasileiro) para gravar mais um programa. É aguardado na porta de seu camarim pelo patrão Silvio Silva, que o aguarda para uma breve conversa. Enquanto Sr Silvio fala sobre a audiencia do programa, que sobe a cada dia e tem idéias de novos quadros, Luiz Roberto se transforma. O homem agora dá lugar ao Palhaço.
Boso é um fenômeno, sem dúvidas.
Adorado pelas crianças, que lotam a plaeia. Crianças de todas as partes, trazidas por escolas, instituições ou pelas próprias famílias. Todas querem brincar no palco com o palhaço mais divertido da TV.
Na medida que o suvesso aumentava, a conta bancaria do jovem Luiz tbm engordava. Fora o salário que ganhava na TV, Boso agora era também uma marca. O Palhaço estampava materiasi escolares, produtos de higiene pessoal como pasta de dente e xampús para crianças, fora a gama infindável de brinquedos. Associar o nome Bozo ao produto era garantia de sucesso entre o publico infantil.
Luiz Roerto amava o que fazia. Sempre gostou de crianças, e o palhaço lhe dava a oportunidade de voltar a ser uma delas.
Só que ao mesmo tempo que o sucesso o encantava, também lhe fazia refletir.
Luiz já era reconhecido nas ruas sem a fantasia. Já era comum ser abordado enquanto fazia algo de sua rotina “Mãe! Olha! O Boso!”
Luiz começava a sentir falta de ser ele mesmo. Uma simples cervejinha com os amigos se tornara algo impossível. Imagina só se algum fotógrafo o flagra nesses momentos de lazer? Poderia até ouvir a voz de Sônia Abrahão anunciando em seu programa:
– “Boso, o Palhaço Alcoólatra! Não é mesmo diretor? Ele foi visto por nossa equipe em um bar virando copos de cerveja, é isso mesmo diretor?”
Imagina só..uma simples fofoca sobre um happy hour desinteressado poderia por tudo a perder.
Apesar de tudo, Luiz estava feliz. com certos momentos de duvida, e por que não depressão? Mas no geral, se considerava um homem de sorte…

Geral, Personagens fevereiro 5th 2010

São Paulo

Comentários desativados em São Paulo

“As sirenes tocaram
As rádio avisaram
Que era pra correr
As pessoas assustadas
mal informadas
Puseram a fugir… sem saber do que
Pânico em SP, pânico em SP, pânico em SP (2x)
O jornal, a rádio, a televisão
Todos os meios de comunicação
Neles estavam estampados
O rosto de medo da população
Pânico em SP, pânico em SP, pânico em SP (2x)
Chamaram os bombeiros
Chamaram o exército
Chamaram a Polícia Militar
Todos armados
Até os dentes
Todos prontos para atirar
Pânico em SP, pânico em SP, pânico em SP
(2x)
Mas o que eles não sabiam
Aliás o que ninguém sabia
Era o que estava acontecendo
O que realmente acontecia
Pânico em SP, pânico em SP, pânico em SP (2x)”

MAPAS

Mapa do metrô ( é atual, mas por uma questão de facilidade, vamos considerá-lo como vigente à epoca)

Cidades janeiro 29th 2010