Chico Caninha era um pobre coitado, vivia perambulando de bar em bar, sempre em busca de mais um trago. Bebia de tudo, cerveja, pinga, conhaque, “rabo de galo”, e freqüentava quase todos os bares e “bocas” da cidade. Mas havia um bar especial que ele sempre ia ao anoitecer. Era o bar do Português em frente do cemitério.

Seu Português, homem respeitador, tentava, em vão, aconselhar Chico Caninha a parar de beber; mas, ao contrário, este continuava “dando seus taios”, e, inclusive, era costume seu, sempre que enchia um copo de pinga, sair na frente do bar e gritar bem forte:

- “Eh! Defuntada, levanta vamo tomá um trago? Cambada de moleirões!!!””

E o amigo Português alertava:

- “Chico Caninha , cuidado, tenha respeito com os mortos”.

Chico Caninha, por sua vez, não se importava e saía zombando e dizendo que “estava tudo certo”. Saía do bar, tropicando e ainda arriliando os estudantes que moravam numa república ali pertinho.

O fato repetia-se com freqüência. Sempre a mesma coisa: Chico Caninha fazia e acontecia… – “Eh! Defuntada, levanta vamo tomá um trago? Cambada de moleirões!!!…””

Vendo aquilo, indignados, e querendo aprontar uma brincadeira com Chico Caninha, os estudantes tiveram a idéia de vestir-se cada um com um lençol, pedaços de paus nas mãos, imitando fantasmas, para “assustar” o biriteiro mal educado.
Na noite seguinte, deram seqüência ao plano e entraram todos no cemitério. Quando Chico Caninha encheu seu copo de pinga e saiu, no seu velho ritual, para chamar a Defuntada para tomar um trago… etc…, os estudantes saíram rapidamente na porta do cemitério, parecendo fantasmas e pegaram o coitado do Chico Caninha, que já estava apavorado e querendo sair fora.
Levaram Chico Caninha para dentro e, munidos de cacete, deram uma boa sova no coitadinho do bebum, uns dez minutos de pau “só pra assustar”.
Três dias depois, Chico Caninha voltou ao bar, ainda meio capenga e todo arranhado, com esparadrapo na testa, manchas arroxeadas por todo lado, e pediu um copo de pinga.

O dono do bar, vendo aquilo falou:
– Não lhe avisei, que você devia ter mais respeito com os mortos? Você fica falando que está tudo certo, tudo certo, e olhe aí o que aconteceu.
Chico Caninha coçou a cabeça e respondeu:

- Olha, que tudo está certo isso tá, mas o que não está certo é deixarem enterrar os mortos com cacete na mão.
Isso não!!!


Por Rubenio Marcelo