The Raven – Edgar Allan Poe

The Raven - TennielO poema The Raven (O Corvo) é provavelmente a obra mais conhecida de Edgar Allan Poe. Mesmo aqueles que não conhecem Poe ou o romantismo já ouviram falar deste poema.

Objeto de inúmeras traduções, as mais famosas são as feitas por Baudelaire e Mallarmé para o francês (foram também as primeiras). Em português as traduções mais conhecidas são as de Machado de Assis e Fernando Pessoa.

Este poema narrativo foi publicado pela primeira vez em 29 de janeiro de 1845, no New York Evening Mirror. Esse lançamento tornou Poe famoso pela primeira vez em sua vida. Foi relançado e ilustrado inúmeras vezes e tornou-se talvez o mais famoso poema já escrito.

O poema chama a atenção devido a sua musicalidade, linguagem estilizada e pela atmosfera soturna. Possui uma métrica perfeita, repleta de rimas interna e jogos fonéticos que revelam o apurado talento de Poe.

Poe escreveu o poema como uma narrativa, sem criar uma alegoria intencionalmente ou cair no didatismo. O tema principal do poema é a devoção imperecível do amante, mesmo após a morte de sua amada.

No poema um jovem amante atormentado pela dor da morte da amada, recebe a misteriosa visita de um corvo que pousa sobre o busto de Pallas (Atena), representando a sua lenta decadência à loucura. O narrador, que é identificado como sendo um estudante, lamenta a perda de sua amada Lenore (Leonora).  O narrador experimenta um perverso conflito entre o desejo de esquecer e a vontade de lembrar.

Ele parece ter alguma espécie de prazer mórbido ao centrar-se em sua dor. A angústia representada pela presença do corvo é ainda mais acentuada pela repetição constante da expressão "Nevermore". Essa repetição forma uma espécie de círculo vicioso em que as perguntas do narrador se repetem continuamente ainda que ele saiba qual será a resposta, e que essa lhe tratá profundo sofrimento, aumentando a sensação de perda.

O narrador inicia aparentemente fraco e cansado, e passa por várias etapas entre arrependimento e dor até chegar ao frenesi e à loucura.

No poema há várias referências à lendas do folclore europeu e mitos clássicos, há referências à mitologia grega (Palas Atena, Plutão ou Hades, Apolo, "As metamorfoses de Ovídio"), mitos nórdicos (Odin e seus dois corvos), e referências à Bíblia (bálsamo de Gileade, Noé e o corvo, Adão e o Jardim do Éden, anjos e serafins).

Ao final do poema, o corvo que representa a inexorabilidade da morte, permanece pousado sobre o busto de Pallas, representando o eterno pesar que se a abateu sobre a alma do jovem amante.

Ao descrever o processo de elaboração do poema, Poe declarou tê-lo feito pautado basicamente em lógica e método. Seu objetivo era criar um poema que agradasse tanto ao público quanto à crítica, conforme ele explica em seu famoso ensaio "The Philosophy of Composition" (A Filosofia da composição), publicado em 1846.

O poema foi inspirado em parte por um corvo falante, presente no romance  "Barnaby Rudge: A Tale of the Riots of 'Eighty", de Charles Dickens. Quanto à métrica e ao ritmo complexos, Poe se inspirou no poema de Elizabeth Barrett, "Lady Geraldine's Courtship". Ao ler este poema Poe declarou que "nunca leu um poema  que combina tanto com a paixão mais feroz quanto com os sentimentos mais delicados. Sua inspiração poética é a mais elevada – podemos conceber  do mais extremo bom gosto. Seu senso de arte é pura em si."

   
"O Corvo" tem influenciado muitas escritores modernos, incluindo Vladimir Nabokov, Bernard Malamud e Ray Bradbury.  O poema é também referência constante em filmes, na televisão e na música.

 


Fonte:

http://en.wikipedia.org/wiki/The_Raven

 


 THE RAVEN

Once upon a midnight dreary, while I pondered, weak and weary,
Over many a quaint and curious volume of forgotten lore,
While I nodded, nearly napping, suddenly there came a tapping,
As of someone gently rapping, rapping at my chamber door.
" 'Tis some visitor," I muttered, "tapping at my chamber door;
 Only this, and nothing more."

Ah, distinctly I remember, it was in the bleak December,
And each separate dying ember wrought its ghost upon the floor.
Eagerly I wished the morrow; vainly I had sought to borrow
From my books surcease of sorrow, sorrow for the lost Lenore,.
For the rare and radiant maiden whom the angels name Lenore,
Nameless here forevermore.

And the silken sad uncertain rustling of each purple curtain
Thrilled me—filled me with fantastic terrors never felt before;
So that now, to still the beating of my heart, I stood repeating,
" 'Tis some visitor entreating entrance at my chamber door,
Some late visitor entreating entrance at my chamber door.
This it is, and nothing more."

Presently my soul grew stronger; hesitating then no longer,
"Sir," said I, "or madam, truly your forgiveness I implore;
But the fact is, I was napping, and so gently you came rapping,
And so faintly you came tapping, tapping at my chamber door,
That I scarce was sure I heard you." Here I opened wide the door;—
Darkness there, and nothing more.

Deep into the darkness peering, long I stood there, wondering, fearing
Doubting, dreaming dreams no mortals ever dared to dream before;
But the silence was unbroken, and the stillness gave no token,
And the only word there spoken was the whispered word,
Lenore?, This I whispered, and an echo murmured back the word,
"Lenore!" Merely this, and nothing more.

Back into the chamber turning, all my soul within me burning,
Soon again I heard a tapping, something louder than before,
"Surely," said I, "surely, that is something at my window lattice.
Let me see, then, what thereat is, and this mystery explore.
Let my heart be still a moment, and this mystery explore.
" 'Tis the wind, and nothing more."

Open here I flung the shutter, when, with many a flirt and flutter,
In there stepped a stately raven, of the saintly days of yore.
Not the least obeisance made he; not a minute stopped or stayed he;
But with mien of lord or lady, perched above my chamber door.
Perched upon a bust of Pallas, just above my chamber door,
Perched, and sat, and nothing more.

Then this ebony bird beguiling my sad fancy into smiling,
By the grave and stern decorum of the countenance it wore,
"Though thy crest be shorn and shaven thou," I said, "art sure no craven,
Ghastly, grim, and ancient raven, wandering from the nightly shore.
Tell me what the lordly name is on the Night's Plutonian shore."
Quoth the raven, "Nevermore."

Much I marvelled this ungainly fowl to hear discourse so plainly,
Though its answer little meaning, little relevancy bore;
For we cannot help agreeing that no living human being
Ever yet was blessed with seeing bird above his chamber door,
Bird or beast upon the sculptured bust above his chamber door,
With such name as "Nevermore."

But the raven, sitting lonely on that placid bust, spoke only
That one word, as if his soul in that one word he did outpour.
Nothing further then he uttered; not a feather then he fluttered;
Till I scarcely more than muttered,"Other friends have flown before;
On the morrow he will leave me, as my hopes have flown before."
Then the bird said,"Nevermore."

Startled at the stillness broken by reply so aptly spoken,
"Doubtless," said I, "what it utters is its only stock and store,
Caught from some unhappy master, whom unmerciful disaster
Followed fast and followed faster, till his songs one burden bore,—
Till the dirges of his hope that melancholy burden bore
Of "Never—nevermore."

But the raven still beguiling all my fancy into smiling,
Straight I wheeled a cushioned seat in front of bird and bust and door;,
Then, upon the velvet sinking, I betook myself to linking
Fancy unto fancy, thinking what this ominous bird of yore,
What this grim, ungainly, ghastly, gaunt, and ominous bird of yore
Meant in croaking, "Nevermore."

Thus I sat engaged in guessing, but no syllable expressing
To the fowl, whose fiery eyes now burned into my bosom's core;
This and more I sat divining, with my head at ease reclining
On the cushion's velvet lining that the lamplight gloated o'er,
But whose velvet violet lining with the lamplight gloating o'er
She shall press, ah, nevermore!

Then, methought, the air grew denser, perfumed from an unseen censer
Swung by seraphim whose footfalls tinkled on the tufted floor.
"Wretch," I cried, "thy God hath lent thee — by these angels he hath
Sent thee respite—respite and nepenthe from thy memories of Lenore!
Quaff, O quaff this kind nepenthe, and forget this lost Lenore!"
Quoth the raven, "Nevermore!"

"Prophet!" said I, "thing of evil!–prophet still, if bird or devil!
Whether tempter sent, or whether tempest tossed thee here ashore,
Desolate, yet all undaunted, on this desert land enchanted–
On this home by horror haunted–tell me truly, I implore:
Is there–is there balm in Gilead?–tell me–tell me I implore!"
Quoth the raven, "Nevermore."

"Prophet!" said I, "thing of evil–prophet still, if bird or devil!
By that heaven that bends above us–by that God we both adore–
Tell this soul with sorrow laden, if, within the distant Aidenn,
It shall clasp a sainted maiden, whom the angels name Lenore—
Clasp a rare and radiant maiden, whom the angels name Lenore?
Quoth the raven, "Nevermore."

"Be that word our sign of parting, bird or fiend!" I shrieked, upstarting–
"Get thee back into the tempest and the Night's Plutonian shore!
Leave no black plume as a token of that lie thy soul spoken!
Leave my loneliness unbroken! — quit the bust above my door!
Take thy beak from out my heart, and take thy form from off my door!"
Quoth the raven, "Nevermore."

And the raven, never flitting, still is sitting, still is sitting
On the pallid bust of Pallas just above my chamber door;
And his eyes have all the seeming of a demon's that is dreaming.
And the lamplight o'er him streaming throws his shadow on the floor;
And my soul from out that shadow that lies floating on the floor
Shall be lifted— nevermore!                            

 


 O CORVO

Tradução: Fernando Pessoa

            Numa meia-noite agreste, quando eu lia, lento e triste,
            Vagos, curiosos tomos de ciências ancestrais,
            E já quase adormecia, ouvi o que parecia
            O som de alguém que batia levemente a meus umbrais
            «Uma visita», eu me disse, «está batendo a meus umbrais.
                        É só isso e nada mais.»
             
            Ah, que bem disso me lembro! Era no frio dezembro,
            E o fogo, morrendo negro, urdia sombras desiguais.
            Como eu qu'ria a madrugada, toda a noite aos livros dada
            P'ra esquecer (em vão) a amada, hoje entre hostes celestiais —
            Essa cujo nome sabem as hostes celestiais,
                        Mas sem nome aqui jamais!

            Como, a tremer frio e frouxo, cada reposteiro roxo
            Me incutia, urdia estranhos terrores nunca antes tais!
            Mas, a mim mesmo infundindo força, eu ia repetindo,
            «É uma visita pedindo entrada aqui em meus umbrais;
            Uma visita tardia pede entrada em meus umbrais.
                        É só isso e nada mais».

            E, mais forte num instante, já nem tardo ou hesitante,
            «Senhor», eu disse, «ou senhora, decerto me desculpais;
            Mas eu ia adormecendo, quando viestes batendo,
            Tão levemente batendo, batendo por meus umbrais,
            Que mal ouvi…» E abri largos, franquendo-os, meus umbrais.
                        Noite, noite e nada mais.

            A treva enorme fitando, fiquei perdido receando,
            Dúbio e tais sonhos sonhando que os ninguém sonhou iguais.
            Mas a noite era infinita, a paz profunda e maldita,
            E a única palavra dita foi um nome cheio de ais —
            Eu o disse, o nome dela, e o eco disse aos meus ais.
                        Isto só e nada mais.

            Para dentro estão volvendo, toda a alma em mim ardendo,
            Não tardou que ouvisse novo som batendo mais e mais.
            «Por certo», disse eu, «aquela bulha é na minha janela.
            Vamos ver o que está nela, e o que são estes sinais.»
            Meu coração se distraía pesquisando estes sinais.
                        «É o vento, e nada mais.»

            Abri então a vidraça, e eis que, com muita negaça,
            Entrou grave e nobre um corvo dos bons tempos ancestrais.
            Não fez nenhum cumprimento, não parou nem um momento,
            Mas com ar solene e lento pousou sobre meus umbrais,
            Num alvo busto de Atena que há por sobre meus umbrais.
                        Foi, pousou, e nada mais.

            E esta ave estranha e escura fez sorrir minha amargura
            Com o solene decoro de seus ares rituais.
            «Tens o aspecto tosquiado», disse eu, «mas de nobre e ousado,
            Ó velho corvo emigrado lá das trevas infernais!
            Dize-me qual o teu nome lá nas trevas infernais.»
                        Disse-me o corvo, «Nunca mais».

            Pasmei de ouvir este raro pássaro falar tão claro,
            Inda que pouco sentido tivessem palavras tais.
            Mas deve ser concedido que ninguém terá havido
            Que uma ave tenha tido pousada nos seus umbrais,
            Ave ou bicho sobre o busto que há por sobre seus umbrais,
                        Com o nome «Nunca mais».

            Mas o corvo, sobre o busto, nada mais dissera, augusto,
            Que essa frase, qual se nela a alma lhe ficasse em ais.
            Nem mais voz nem movimento fez, e eu, em meu pensamento
            Perdido, murmurei lento, «Amigo, sonhos — mortais
            Todos — todos lá se foram. Amanhã também te vais».
                        Disse o corvo, «Nunca mais».

            A alma súbito movida por frase tão bem cabida,
            «Por certo», disse eu, «são estas vozes usuais.
            Aprendeu-as de algum dono, que a desgraça e o abandono
            Seguiram até que o entono da alma se quebrou em ais,
            E o bordão de desesp'rança de seu canto cheio de ais
                        Era este «Nunca mais».

            Mas, fazendo inda a ave escura sorrir a minha amargura,
            Sentei-me defronte dela, do alvo busto e meus umbrais;
            E, enterrado na cadeira, pensei de muita maneira
            Que qu'ria esta ave agoureira dos maus tempos ancestrais,
            Esta ave negra e agoureira dos maus tempos ancestrais,
                        Com aquele «Nunca mais».

            Comigo isto discorrendo, mas nem sílaba dizendo
            À ave que na minha alma cravava os olhos fatais,
            Isto e mais ia cismando, a cabeça reclinando
            No veludo onde a luz punha vagas sombras desiguais,
            Naquele veludo onde ela, entre as sombras desiguais,
                        Reclinar-se-á nunca mais!

            Fez-me então o ar mais denso, como cheio dum incenso
            Que anjos dessem, cujos leves passos soam musicais.
            «Maldito!», a mim disse, «deu-te Deus, por anjos concedeu-te
            O esquecimento; valeu-te. Toma-o, esquece, com teus ais,
            O nome da que não esqueces, e que faz esses teus ais!»
                        Disse o corvo, «Nunca mais».

            «Profeta», disse eu, «profeta — ou demónio ou ave preta!
            Pelo Deus ante quem ambos somos fracos e mortais,
            Dize a esta alma entristecida se no Éden de outra vida
            Verá essa hoje perdida entre hostes celestiais,
            Essa cujo nome sabem as hostes celestiais!»
                        Disse o corvo, «Nunca mais».

            «Que esse grito nos aparte, ave ou diabo!, eu disse. «Parte!
            Torna à noite e à tempestade! Torna às trevas infernais!
            Não deixes pena que ateste a mentira que disseste!
            Minha solidão me reste! Tira-te de meus umbrais!»
                        Disse o corvo, «Nunca mais».

            E o corvo, na noite infinda, está ainda, está ainda
            No alvo busto de Atena que há por sobre os meus umbrais.
            Seu olhar tem a medonha dor de um demónio que sonha,
            E a luz lança-lhe a tristonha sombra no chão mais e mais,
            E a minh'alma dessa sombra, que no chão há mais e mais,
                        Libertar-se-á… nunca mais!