Vampiros

A Condessa Erzsébet Bathory (1561-1611)

Erzsébet BathoryA figura de Erzsébet Bathory é cercada de mitos e lendas. Não se sabe ao certo onde termina a fantasia e começa a realidade. Teria sido uma Condessa que torturou e assassinou várias jovens e, por causa disso ficou conhecida como um dos “verdadeiros” vampiros da história.

A família Bathory viveu no que conhecemos hoje como República Eslovaca. Muitos dizem que ela era húngara, mas isso se deve ao fato de que naquela época, as fronteiras húngaras não era o que podemos chamar de “fixas” . Ela cresceu numa propriedade da família Bathory, em Csejthe, a nordeste da Hungria. Quando criança, era sujeita a doenças repentinas acompanhadas de intenso rancor e comportamento incontrolável. Alguns acreditam que Erzsébet Bathory experimentou várias crises de possessão. Nunca podia prever-se quando tal aconteceria. De repente surgiam violentas dores na cabeça e nos olhos. As criadas traziam feixes de plantas frescas e narcotizantes, enquanto sobre o lume se preparavam drogas soporíferas onde se iriam embeber esponjas para se passarem a seguir pelas narinas da paciente. Não se sabe ao certo que tipo de doença a acometia nem qual a sua origem. Em relação à doença de Elizabeth há um misto de ignorância, desconhecimento e preconceito. Em 1574, Erzsébet engravidou de um breve romance com um camponês. Mas, assim que sua gravidez ficou visivel, ela foi escondida de todos, pois estava noiva do Conde Ferenc Nadasdy, chamado de “o herói negro”. Erzsébet se casou com ele em maio de 1575. Como era soldado, o Conde Nadasdy passava a maior parte do tempo em campanhas, o que fazia com que a Condessa tivesse de assumir os deveres de cuidar dos assuntos do Castelo Savar, propriedade da Familia Nadasdy. Foi à partir daí que contam que sua carreira maligna teria começado, pois com o disciplinamento de um grande número de empregados, principalmente mulheres jovens, ela não só punia aqueles que infringiam seus regulamentos, como também encontrava desculpas para severas punições, deleitando-se com a tortura e morte de suas vítimas. Há muitas histórias fabulosas sobre a Condessa Bathory. Conta-se que com 20 anos, idade em que normalmente se freqüentam bailes e recepções na aristocracia húngara, a prima do príncipe Drácula vivia numa quase total reclusão. Amantizou-se com o intendente Thorbes, que a iniciou em feitiçaria e que, tendo-a casado com Satanás, teria lhe transmite os ritos secretos da seita de “Ave negra” – sociedade secreta à qual ele pertencia. A Ordem da Ave Negra mantinha estreitas e subterrâneas relações com a Ordem do Dragão de Segismundo da Hungria. Erzsébet participava nas reuniões de magia com Thorbes, com a sua ama, as duas criadas e o mordomo Johannès Ujvary. Diz-se que certo dia a condessa, envelhecendo, estava sendo penteada por uma jovem criada, quando a menina acidentalmente puxou seus cabelos. Erzsébet virou -se para ela e a espancou. O sangue espirrou e algumas gotas ficaram na mão de Erzsébet. Ao esfregar o sangue nas mãos, estas pareciam tomar as formas jovias da moça. Foi a partir deste incidente que Erzsébet desenvolveu sua reputação de desejar o sangue de jovens virgens. O Conde Nadasdy não só tomava parte nos atos cruéis de sua esposa como ensinava a ela novas formas de tortura. Ele veio a falecer em 1604. Após sua morte, Elisabeth mudou-se para Viena e logo depois, passou um tempo no Solar de Cachtice, o local que foi o cenário de seus atos mais depravados e famosos.

Um dos castelos em que a condessa teria vividoUma segunda história fala do comportamento de Erzsébet após a morte do marido, quando ela colecionava uma série de jovens amantes. Logo que enviuvou, dispensou a companhia de sua sogra e dos subordinados do marido, para se entrega tranqüilamente aos ritos mágicos ensinados por Thorbes. Numa ocasião, quando estava em companhia de um de seus jovens amantes, viu uma mulher de idade e perguntou a ele: “O que voce faria se tivesse de beijar aquela velha bruxa ?”. O homem respondeu com palavras de desprezo. A velha, entretanto, ao ouvir o diálogo, acusou Erzsébet de excessiva vaidade e acrescentou que tal aparência era inevitável, mesmo para uma condessa. Diversos historiadores têm ligado a morte do marido de Elizabeth e essa história , a sua preocupação com o envelhecemento e daí o fato de ela se banhar em sangue. Nos anos que se seguiram após a morte do marido, Erzsébet conseguiu uma nova companheira para seus atos sádicos: uma mulher chamada Anna Darvulia, de quem pouco se sabe. Quando a saúde de Darvulia piorou, Elisabeth voltou-se para Erzsi Majorova, viúva de um fazendeiro local, seu inquilino. E parece que esta foi a responsável pelo declínio da Condessa pois incentivou a mesma a incluir entre suas vítimas, mulheres da nobreza, em virtude da dificuldade que Elisabeth estava tendo para conseguir novas criadas (ou seriam vítimas). Afinal, a fama da Condessa e seu comportamento já eram conhecidos por todas as redondezas. Em 1609, Elisabeth matou uma jovem nobre e encobriu o fato alegando suicidio. Em 1610, começaram as investigações sobre os crimes da condessa. Na verdade, era mais por motivos políticos (O Conde Nadasdy havia emprestado dinheiro ao Rei e este queria se ver livre de tal empréstimo confiscando o latifúndio da Condessa). Porém as suspeitas dos assassinatos dela, eram mais que uma desculpa para concretizar os planos da coroa. Por isso não se sabe ao certo até que ponto tais acusações eram fiéis ou não aos fatos. Vampira bebendo sangueOutra versão do caso, afirma que em Novembro de 1610, uma das vítimas conseguiu fugir antes de ser condenada à morte.

O rei Mathias II, conhecedor do caso, encarregou o conde Thurzo de investigar as estranhas práticas da condessa. A 30 de Dezembro de 1610 o conde forçou a vedação do castelo de Csejthe. Na sala grande da torre de menagem, descobriu horrorizado um cadáver em cujo corpo não havia nenhuma gota de sangue, vasos cheios de sangue ainda não coagulado, e um moribundo barbaramente torturado. Submetido a interrogatório, o mordomo Ujvary confessou ter participado em trinta e sete assassinatos rituais. Uma tesoura, manejada por Erzsébet Bathory, substituía o punhal sacrifical. Os servos desta estranha missa de sangue recolhiam-no para depois prepararem os banhos de juventude de Erzébeth cuja aparência jovem, comentavam os juízes, “não podia ser senão de origem diabólica”. Com isso, em 26 de dezembro de 1610, A Condessa Erzsébet Bathory foi presa e julgada alguns dias depois. Em 7 de janeiro de 1611, foi apresentada como prova, uma agenda contendo os nomes de todas as vítimas da Condessa, registrados com a sua própria letra. No total foram 650 vítimas. Além de sua reputação de assassina e sádica, ainda foi acusada de ser uma “lobisomem” (o termo “werewolf” traduzido do original, não possui gênero) e uma vampira. Durante seu julgamento, várias pessoas afirmaram que ela mordia o corpo das meninas que torturava. Ela foi acusada então de drenar o sangue de suas vítimas e de banhar-se nesse sangue para reter a juventude. Por todos os parâmetros, Elisabeth era de fato uma mulher muito atraente. A condessa confessou arrogante e friamente os seus crimes. Os dois necromantes foram condenados à morte. Arrancaram-lhe as unhas, cortaram-lhes a língua, espetaram-lhe os olhos e por fim queimaram-nos em fogo lento. Erzsébet foi condenada a confessar a sua culpa e a ser decapitada. A sentença foi comutada, tendo em vista a sua origem e posição, para prisão perpétua “a pão e água”. Veio a morrer em 1614, passados anos, encerrada entre as paredes de uma das salas do seu castelo. The Book of Werewolves registra a lenda básica de uma Condessa húngara que matou suas criadas para banhar-se no seu sangue, uma vez que ela imaginava que esse tratamento manteria sua pele jovem e saudável. A verdade é que ela assassinou 650 moças para esse fim. (…) O testemunho de centenas de pessoas demonstrou que o seu uso de sangue para finalidades cosméticas era lenda, mas confirmou que ela de fato matou mais de 650 moças (ela recorda cada atrocidade no seu diário). A Condessa evidentemente gostava de morder e dilacerar a carne de suas jovens criadas. Um de seus apelidos era “Tigre de Cachtice”. Ela torturou (…) também em Viena, onde possuía uma mansão na rua dos Agostinianos(…), proximo ao palácio real no centro da cidade. Durante o julgamento em 1611, foi confirmado que “em Viena, os monges arremessavam seus corpos contra as janelas quando ouviam gritos (das moças sendo torturadas)”. Esses monges certamente os do velho mosteiro Agostiniano defronte a mansão Barthory. No porão, Erzsébet mandou um ferreiro construir uma espécie de compartimento de madeira, ou cela, onde torutrava suas vítimas. Entre as alegações para os terríveis crimes da Condessa estão as afirmações mais estranhas. Alguns culpam a aparente loucura de Bathory, devido aos constantes casamentos entre membros nobres da mesma família na Hungria, destinados a manter as propriedades entre si, o que poderia ter levado à uma degeneração genética. Entretanto tais casamentos entre parentes próximos eram comuns em toda a nobreza européia.

Outros afirmam que Erzsébet era sujeita a ataques epiléticos e que na época por crendice, tal enfermidade era tida como relacionada com sua loucura e comportamento, em uma prova de desconhecimento total sobre a doença, além de notório preconceito, em uma época na qual epilepsia era tratada como sinônimo de loucura e possessão demoníaca. Nos registros mais fieis sobre Bathory sabe-se apenas que ela sofria de fortes dores de cabeça, sem um diagnóstico acertado, em virtude dos poucos recursos da medicina da época não se sabe ao certo do que Bathory sofreria afinal, e se tais dores teriam relação com seu comportamento violento e sádico.

Segundo relatos da época a família de Bathory não seria nada exemplar. Um dos seus tios foi um notório satanista, sua tia Klara uma terrível aventureira sexual e seu irmão Stephen um bêbado e um devasso.

O marido de Bathory, o conde Ferenc Nadasdy era tão cruel quanto ela. Quando em casa, distraía-se torturando presos turcos. Ensinou até mesmo algumas técnicas de tortura à Erzsébet. Uma delas, muito dolorosa, era uma variação do “pé quente”, em que pedaços de papel embebido em óleo eram colocados entre os dedos do pé de empregados preguiçosos, aos quais se ateava fogo, fazendo com que a vítima visse estrelas de tanta dor e se contorcesse tentando livrar-se do fogo. Erzsébet costumava enterrar agulhas na carne e sob as unhas de suas criadas. Punha também moedas e chaves aquecidas ao rubro nas mãos das torturadas, ou então, usava um ferro para marcar o rosto de empregadas indolentes. Também costumava jogar moças na neve, enquanto água fria era atirada sobre elas até que morressem congeladas. A moça era levada para fora sem roupa e seu corpo esfregado com mel e ela permanecia 24 horas ao ar livre, de modo que pudesse ser picada por mosquitos, abelhas e outros insetos. Ela teria ateado fogo aos pelos pubianos de uma de suas empregadas. Entre tantas histórias dizem que uma vez ela abriu a boca de uma criada até que seus cantos se rasgassem, enfim, histórias desse tipo é que não faltam, o que torna difícil separar o fato da mito. Barthory fazia tudo isso com muita tranqüilidade porque era uma aristocrata húngara e sendo seus criados eslavos, estes podiam ser tratados como propriedade ou objeto, tão cruelmente quanto ela quisesse porque não tinham para quem apelar. Há muitas ligações entre a familia Bathory e Drácula. O chefe em comando da expedição que repôs Drácula no trono em 1476 foi o Príncipe Stephen Bathory; além disso, um feudo de Drácula passou às mãos dos Barthory durante o tempo de Erzsébet. O lado húngaro dos antepassados de Drácula podem ter relação com o clã Bathory.Outros historiadores afirmam que Bathory seria prima em um grau distante em relação a Drácula.

Em meio a essa história cheia de misticismo e exageros, a lenda sobre a condessa Bathory inspirou escritores, entre os quais o mais famoso seria Joseph Sheridan Le Fanu, que criou o romance gótico Carmilla, publicado em 1872, antes portanto do Drácula de Bram Stocker. Aliás, provavelmente Stocker teria sido influenciado por Carmilla a escrever seu grande romance.

6 comments

  1. Beatrix, deixa eu te dar uma dica sobre um vídeo de vampiros que vc com certeza ainda não viu, e é muito bom. É uma animação 3D feita por um brasileiro, com uma história surpreendente. Se chama "A Primeira Vez". O endereço do vídeo (no Youtube) é http://www.youtube.com/watch?v=mYhBEnEzgwg
    Assista e veja se dá uma força pro pessoal que fez esse vídeo. E preste atenção nos detalhes escondidos, que são uma verdadeira festa de referências para quem conhece a trajetória dos vampiros no cinema e no folclore.

  2. Bom se existe ou não vampiros eu não sei,mais que é um algo interessante isso é, sem duvidas…
    Bem, eu gostaria que fosse verdade esse história de vampiresca!
    pois é bem legal no meu ponto de vista…

  3. Bem, muitos falam que eles não esistem!
    Mas se acreditam até em sereis como minha grande amiga diz, por que não vampiros?
    além do mais , é mais provavél vampiros existirem,do que eu ganhar na loteria…
    Sem ironias…

Comentários estão fechados.