William Somerset Maugham

MaughanPoucos escritores do século XX foram tão grandiosos, talentosos e admirados como William Somerset Maugham (1874–1965).Esse inglês, que nasceu em Paris, na França, no dia 25 de janeiro de 1874, enquanto seu pai trabalhava como conselheiro da Embaixada Britânica. De origem abastada, Maugham tornaria-se famoso por romances como Servidão Humana e O Fio da Navalha. Mas a vida foi dura para o jovem William, que ficou órfão aos 11 anos e foi obrigado a se mudar para a casa de parentes em Whistable, na Inglaterra. Nessa época o jovem William falava somente francês e sofria de uma gagueira, um de seus traços mais perceptíveis originado de sua grande timidez.

Maugham acabou ingressando na King’s School, em Canterbury e começa os seus primeiros passos literários, com contos de fundo psicológico e estórias de espiões. Resolve estudar literatura e filosofia na Universidade de Heidelberg e Medicina, em Londres, após ser aprovado em prova do hospital St. Thomas, em 1897. Nesse mesmo ano obtém algum sucesso com seu primeiro romance, Liza of Lambeth (O Pecado de Liza), e resolve seguir carreira como escritor.

Em 1902 publica dois livros, Mrs. Craddock e The Magician, baseado na vida do ocultista inglês Aleister Crowley. Maugham não contava, no entanto, com a simpatia da crítica e o sucesso só veio em 1903, quando a peça A Man of Honour o faz famoso, sendo considerado o autor teatral mais importante do Reino Unido, ao lado de George Bernard Shaw.

Em 1915 publica aquele que seria meu maior romance: Servidão Humana, um livro, em parte autobiográfico. A história conta as desventuras de Philip Carey, órfão, estudante de medicina (como Maugham), manco e que se apaixona por Mildred, que o humilha, fazendo com que Philip abra mão de sua dignidade para conquistá-la. E, em lugar de sua gagueira, Maugham atribui ao personagem um defeito físico.

O livro faz um imenso sucesso e Somerset Maugham aproveita o dinheiro para fazer duas coisas que ama verdadeiramente: viajar e viver aventuras. Em 1917 vive talvez a maior delas, ao se passar por um jornalista na durante a Revolução Russa, trabalhando como espião do governo inglês.

Nessa época também conhece Gerald Haxton, jovem norte-americano de São Francisco que seria seu amante até 1944, ano da morte de seu parceiro.

Ainda em 1917, casa-se com Maud Gwendolen Syrie Barnardo, ex-mulher do magnata da indústria farmacêutica, Henry Wellcome. Os dois já eram amantes. Na década de 20, Maud ficaria famosa na Europa como decoradora de interiores, utilizando o nome Syrie Maugham. Os dois já tinham uma filha nascida em 1915 chamada Elizabeth Mary Maugham, que morreu em 1998. O casamento durou até 1928, com inúmeras brigas entre o casal por causa do amante Haxton, quando se separaram.

Em 1919 publica outro notável romance, Um gosto e seis vinténs, narrando a história de Charles Strickland, um homem de meia-idade que abandona a família sem motivo aparente e resolve virar pintor.

Já famoso e milionário – era o autor mais bem pago do mundo da década de 30 – Maugham passa boa parte desses anos viajando pela Ásia, México, Pacífico, sempre acompanhado de Haxton e decide fixar residência na Riviera Francesa até o final dos seus dias.

Em 1943 publica O Fio da Navalha, considerado sua última grande obra. No livro, Maugham assume sua própria identidade e narra a história de Larry Darnell, piloto durante a Primeira Guerra Mundial, fato que o marcaria para sempre. Já de volta ao lar, em Chicago, renuncia a antiga companheira e começa uma viagem totalmente particular em busca da sabedoria e da paz, partindo para Paris e para a Índia.

Somerset fez o livro inspirado em Sri Ramana Maharshi, que conheceu na Índia, em 1938. Maugham revelou antes que havia se inspirado em um homem que conhecera, mas o encontrava apenas em longos intervalos, apesar de terem construído uma grande amizade.

Em 1947, criou o Somerset Maugham Award, que destina uma premiação em dinheiro ao melhor escritor britânico, com menos de 35 anos e que tenha publicado um livro na categoria ficção, no ano anterior. Alguns dos mais famosos vencedores foram Kingsley Amis e Thom Gunn.

Maugham faleceu em Nice, na França, aos 91 anos, no dia 16 de dezembro de 1965 e ficou imortalizado com um dos mais excepcionais entendidos da alma humana e com um estilo que mostrava grande sutileza, ironia e um mestre de contar grandes histórias.


OBRAS

(títulos originais, em inglês)

Romance

Liza of Lambeth (1897)
Mrs Craddock (1902)
The Magician (1902)
Of Human Bondage (1915)
The Moon and Sixpence (1919)
The Painted Veil (1925)
Ashenden: Or the British Agent (1928) — short stories
Cakes And Ale: or, the Skeleton in the Cupboard (1930)
The Narrow Corner (1932)
Up at the Villa (1941)
The Hour Before Dawn (1942)
The Razor’s Edge (1943)
Then and Now (1946)
Theatre (1947)
Catalina (1948)

Peças

A Man of Honour (1903)
The Circle (1921)
Our Betters (1923)
The Constant Wife (1927)
The Sacred Flame (1928)
The Caesar’s Wife

Não-Ficção

On a Chinese Screen (1922)
The Truth at Last (1924) (in collaboration with Charles Hawtrey)
The Gentleman in the Parlour: A Record of a Journey from Rangoon to Haiphong (1930)
Don Fernando: or, Variations on Some Spanish Themes (1935)
The Summing Up (1938)
A Writer’s Notebook (1949)
Vagrant Mood: Six Essays (1952)
The Partial View (1954)
The Travel Books of W. Somerset Maugham (1955)
Points of View (1958)
Looking Back (1962)
Ten Novels and Their Authors (1963)
Essays on Literature (1967)

Contos

“The Magician” (1908)
“Lord Mountdrago” (1939)
“A Man from Glasgow” (1947)
“Before the Party”
“The End of the Flight”
“The Facts of Life”
“Footprints in the Jungle”
“Honolulu”
“An Official Position”
“The Outstation”
“The Taipan”
“The Treasure”
“Rain”

Coletâneas de contos

The Trembling of a Leaf (1921)
The Lotus Eater (1945)


FONTES

Links

WIKIPEDIA
http://en.wikipedia.org/wiki/William_Somerset_Maugham

Anna Jones
http://www.angelfire.com/indie/anna_jones1/maugham_bio.html
Bartleby
http://www.bartleby.com/65/ma/Maugham.html