Entrevista por ocasião do lançamento do jogo Bloodlines

03/07/2008



Vampire: The Masquerade – Bloodlines – Entrevista concedida logo após o lançamento do jogo.

Entrevista originalmente publicada no site GameBanshee, em 30/11/04
Leonard Boyarsky entrevistado por Jon “Buck” Birnbaum
Traduzida por Beatrix Algrave

Leonard BoyarskyAgora que nós tivemos a chance de experimentar o Mundo das Trevas no jogo Vampire: The Masquerade – Bloodlines da Troika Games, em primeira-mão, nós enviamos algumas questões pós-lançamento sobre o jogo, ao diretor de arte e CEO da Troika Games, Leonard Boyarsky para obter seus comentários sobre vários temas. Nossas perguntas e as respostas, seguem abaixo.

GB: Você está satisfeito com os comentários que tem recebido dos fãs e dos críticos desde o lançamento de Vampire: Bloodlines?

Leonard: Sim. Nós estamos muito satisfeitos com os comentários e críticas sobre Vampire.

GB: Que tipo de retorno você recebeu da Valve sobre o produto final? Eles estão impressionados com as alterações que vocês fizeram no engine original?

Leonard: Durante o desenvolvimento eles disseram que nós estávamos fazendo um grande trabalho. Acredito que o mesmo vale para o produto final. Nós ainda temos que ouvir algumas coisas da Valve sobre o que eles realmente pensam sobre esse lançamento.

GB: Você planejou incluir um modo multiplayer em Bloodlines durante o estágio inicial de desenvolvimento ou você sempre focou na experiência de single player desde o início?

Leonard: O jogo foi originalmente concebido para o modo single player, e logo de início pensamos que seria legal incluir um modo multiplayer também. Entretanto, trabalhando com o código do modo multiplayer do Half Life 2 percebemos que isso daria mais trabalho do que havíamos previsto. Assim, acabamos nos concentrando apenas no modo single player.

GB: Além do modo multiplayer, o que mais especificamente você gostaria de ter incluído ou mudado no jogo caso houvesse mais tempo para desenvolvê-lo?

Leonard: Não importa o jogo que você faça, sempre há coisas que você precisa cortar. Uma das coisas mais legais que infelizmente não podemos colocar em Bloodlines foram as máquinas arcade com games clássicos da Activision – que eram supostamente para serem realmente jogáveis (um dos nossos programadores era amigo de um programador de outra companhia que havia feito justamente um emulador para todos os jogos antigos da Activision). Como teria sido legal atualmente poder jogar Pitfall em uma máquina arcade dentro do jogo, não é?

GB: Apesar do jogo conter uma enorme quantidade de diálogos fortes e muito sangue e violência, houve alguma coisa que por ser “demasiado” gráfica teve que ser cortada?

Leonard:
Não, eu acho que não tentamos nada suficientemente forte demais.

GB: A música mais pesada e o estilo industrial definitivamente dão o tom do jogo em locais como Confession Club e Last Round. Como você escolheu as bandas que fariam a trilha sonora do jogo? Foi difícil abrir negociações com uma banda grande como Ministry?

Leonard: Todo o licenciamento das músicas foi feito através da Activision. Nós não nos envolvemos nisso.

GB: Você acha que o lançamento de Half Life 2 na mesma semana que Bloodlines teve algum efeito sobre as vendas do jogo? Porque?

Leonard: A Activision nunca discute ou divulga os valores das vendas, e eu não posso pela Valve sobre essa questão. De qualquer maneira não me parece possível dizer que haveria alguma semana “segura” para lançar games esse ano. Se não fosse HL2 poderia ser WoW ou Halo2, etc.

GB:
Pessoalmente, Gostei muito das diferentes características disponíveis durante a criação de personagem em Arcanum. Porque as Histórias de personagens com características como Presença Feérica e Ávido por Sangue foram removidas da criação dos personagens em Bloodlines, o que levou a decisão da retirada desse recurso?

Leonard: Quando nós criamos as Histórias para os personagem, a Activision considerou que não poderia testá-las de forma adequada, no tempo que tínhamos e pensei que seria mais seguro então removê-las.

GB: É possível vermos no futuro uma expansão de Vampiro: Bloodlines ou uma seqüência? Quem realmente teria que dar o sinal verde para isso? Activision? White Wolf?

Leonard: Isso teria que ser uma solicitação da Activision. Nós adoraríamos fazer tanto uma expansão quanto uma seqüência.

GB: Agora que Bloodlines foi concluído, qual o próximo projeto da Troika? Algum projeto pós-apocalíptico em um futuro próximo?

Leonard: Isso seria maravilhoso, não é? No momento eu não posso falar sobre o futuro da Troika de forma que você só terá que ficar atento.

Gostaríamos agradecer à Activision e a Troika, especialmente a Leonard, por ceder seu tempo para responder as nossas perguntas!


Fonte: Gamebanshee

 

 

Postado por Beatrix em 03/07/2008 | Arquivado em Entrevistas, Geral | 1 Comment »


One Response to “Entrevista por ocasião do lançamento do jogo Bloodlines”

  1. setembro 3rd, 2009 at 10:22

    Inaiá said:

    Onde eu compro esse jogo original ?T_T nao acho em lugar nenhum ;/