Breve histórico do mito do vampiro com ênfase no sexo

30/01/2010

Encontrei o texto abaixo em um blog/podcast bem interessante o Le Petit Mort que fala basicamente de Horror, Sexo e RPG. De fato não é breve é na verdade brevíssimo, mas quem sabe me inspiro e aprofundo essa tese. Os exemplos são interessantes e contrariam a imagem de vampiro assexuado que muitos gostam de usar em Vampiro a Máscara, ou como disse o Malk na reunião de antediluvianos,  “se você acredita nesta história de que vampiros não tem interesse em sexo  é mais doido que eu”. Ainda bem que a Jeanette desmente essa tese, ela concorda com o vovô Malk.

E felizmente eu nem vi, nem li e nem vou ler Crepúsculo. Prefiro mesmo os “vampiros tarados” de True Blood.

——————————————————————–


(ou Uma tese que nunca escreverei, ou ainda Porque odiei “Crepúsculo”)


“Vampiros” estão envolvidos em comportamentos de certa forma sexuais há milênios. Criaturas que tiram sustento de algum tipo de força vital humana aparecem em várias culturas. Ataques sexuais por elfos demoníacos sugadores de sangue na Áustria; espíritos femininos babilônicos atrás de sêmen; demônios orientais que se alimentavam de sangue, sêmen e secreção vaginal; bruxas européias bebedoras de sangue e anteriores ao cristianismo; antigos “ghuls” árabes (nome que aparece em várias mitologias asiáticas e africanas) que na forma de mulheres atraentes enganavam beduínos e canibalizava-os… a coisa varia muito.

O vampiro que nós conhecemos, no entanto, provavelmente não é descendente direto destas fontes – ele começou a surgir na Europa Central por volta do século XVII, quando houve um recrudescimento da mitologia vampírica da região e termos como “vampir”, “vapir”, “uper” e “ubyr”, provavelmente significando “bruxa” ou “demônio” chegam ao inglês moderno. Surtos mortais de alguma doença foram atribuídos ao “vampirismo”, e médicos ingleses, alemães e franceses chamados apara avaliar a situação acabaram por levar o termo ao latim e às suas próprias línguas maternas, ajudados por um monge beneditino francês que publicou um livro sobre aparições, mortos-vivos em geral e vampiros.

Em 1748, Ossenfelder (alemão contemporâneo deste pessoal) publica o poema “Der Vampir”, considerado o primeiro texto literário sobre vampiros. Adivinharam o script? Um vampirão narra em 1ª pessoa os prazeres não-cristãos que proporcionará a uma jovem… Hummm… neste meio tempo, um cientista dá o nome de “vampiro” a morcegos sul-americanos hematófagos, entrelaçando de vez o vampiro ao morcego. Logo depois, outros alemães publicam poemas dedicados ao monstro (até Goethe, com uma versão feminina). Rola sempre uma ênfase no “furor sexual” destes seres, fazendo jus à mitologia da Europa central.

Em 1816, Coleridge leva o monstro para a poesia inglesa (todo gótico tr00 conhece “Christabel” e a vibe lésbica do poema, hehehe),  e em 1818 Polidori publica o famosíssimo “O Vampiro” (e todo Tzimisce já ouviu falar de um certo Ruthven, hahaha), no que teoricamente é a estréia do vampiro na prosa. A partir daí, ele se torna o queridinho dos romances góticos, criando grandes personas literárias como Drácula e Carmilla, aparecendo em textos de gente como Edgar Allan Poe e Baudelaire, e culminando em obras modernas como as de Anne Rice, que praticamente ressuscitou o mito (com trocadilho).

Desde sua gênese literária (e, por que não dizer, em grande parte de suas variações folclóricas), vampiros estão intimamente ligados à sexualidade. Para dizer o mínimo, representam uma metáfora sexual poderosíssima, mostrando a força de símbolos eternos da humanidade como o sangue, o sêmen, o sexo e a violência, junto à exploradíssima dicotomia amor-morte, que vem desde Eros e Thanatos e “contamina” de Sade a Freud.

Tirar o sexo e o pecado do vampiro pra mim é criminoso – por isso não gosto de “Crepúsculo”, onde meu grande perversor é transformado num “príncipe encantado bonzinho”, na figura patética do vampiro que só fará sexo depois de casar. Tsc, tsc, tsc.

>>> Texto originalmente publicado na comunidade do Orkut {NEW} Vampiro A Máscara

 

Postado por Beatrix | Arquivado em Curiosidades, Geral | 11 Comments »

 

NPCs Vampiros

12/01/2009

Sebastian Lacroix:

Um vampiro francês, membro do clã Ventrue, Lacroix é o Príncipe de Los Angeles e líder da Camarilla local. Tendo mais de 180 anos, ele serviu sob as ordens de Napoleão Bonaparte, atualmente é o presidente da Lacroix Foundation, habitando a cobertura de sua Venture Tower, no centro de L.A. Há muito anos ele é caçado pelos membros da Sociedade dos Leopoldos e seu inimigo mais insistente é Grünfeld Bach que tem uma rixa pessoal com Lacroix e fará de tudo para destruí-lo.

 

 

O Xerife: O guarda-costas pessoal de Lacroix, o Xerife é um vampiro de origem ignorada. Ninguém sabe de onde ele veio ou qual é o seu verdadeiro nome. Assustador, o Xerife é um negro com mais de 2,5m de altura, de ombros largo como um armário, músculos imensos e olhos vermelho-sangue. Em certo momento, Lacroix declara que os dois se conheceram na África há mais de 100 anos atrás. O Xerife nunca fala e carrega uma espada enorme consigo.

 

Nines Rodriguez: Brujah que viveu o período da Grande Depressão, e que desde essa época se interessou pelas causas sociais. Nines é uma espécie de líder para os anarquistas, mesmo que não se veja assim. Ele deseja tornar Los Angeles novamente em um estado livre anarquista. Poderá ser encontrado no bar Last Round em Downtown. Ao que parece o sire de Nines também o abandonou ou foi morto, e talvez esse seja um dos motivos que o levaram a intervir em favor do personagem do jogador.

 

 

Smiling Jack: Misterioso Brujah anarquista que auxilia o personagem no início do jogo. Uma verdadeira lenda no meio anarquista, a única coisa que se sabe com certeza sobre o passado de Jack é que ele já foi um pirata. Poderá ser encontrado no bar Last Round em Downtown.

Há especulações de que Jack seria o lendário Jack Black, o Barba Negra.

 

 

Maximillian Strauss: Primigênie de seu clã em Los Angeles e Regente da capela Tremere de Downtown, Max não tem uma visão muito lisonjeira do príncipe Lacroix, mas é discreto quanto às suas opiniões e na defesa dos interesses da Camarilla, buscando a oportunidade ideal para agir. Max pode ser encontrado na capela tremere, em Downtown.

 

Therese Voerman: Malkaviana. Dona da boate Asylum, onde pode ser encontrada. Atualmente, Therese mantém uma rixa com Bertram Tung pelo domínio de Santa Mônica. Therese almeja tornar-se a baronesa do distrito. Therese, entretanto, vê em sua irmã Jeanette, um enorme empecilho a isso, visto que ela está mais preocupada em levar uma não-vida cheia de diversão intensa e desenfreada atividade sexual, para o desespero da recatada Therese.

 

 

Jeanette (Tourette) Voerman: Malkaviana, dona da boate Asylum junto com sua irmã Therese. Ao contrário de Therese parece ter uma relação bastante amigável com Bertram Tung, e também com todos os homens do distrito de Santa Mônica. Completamente louca, mimada e sedutora, Jeanette parece mesmo sentir um certo prazer em atrapalhar os planos e sonhos de poder da “irmã”.

Dependendo de que ações seu personagem tomar no decorrer do jogo, ao final poderá quem sabe, ir pra cama com a deliciosa Jeanette.

Na verdade Therese e Jeanette são duas personalidade em um mesmo corpo, fruto da loucura malkaviana.
Tudo indica que Voerman já era um tanto louca quando foi abraçada. A causa disso provavelmente foram os abusos sexuais que sofreu do próprio pai quando era criança e ainda durante a adolescência, quando acabou assassinando o pai, o que foi considerado talvez um acidente. Pela história de Jeanette, provavelmente ela ficou um tempo internada depois disso.

 

 

Gary Golden: Líder Nosferatu e primigênie de seu clã. Antes de ser abraçado era um belo e egocêntrico ator de cinema. Gary possui um interesse lascivo pela maioria das vampiras do jogo, e possui uma coleção invejável de pôsteres de nu “artístico” que partilhará com o personagem caso lhe faça alguns favores. Assim como seu sire puniu seu egocentrismo vaidoso transformando-o em um pavoroso Nosferatu, Gary fez o mesmo à Imalia, que antes de ser abraçada era uma bela e vaidosa modelo. Ao visitá-lo em seu refúgio secreto, você perceberá que Gary tem um senso de humor deliciosamente funesto.

 

 

Velvet Velour (V.V.): Vampira toreadora, stripper e dona da boate Vesuvius. Antes de ser abraçada, seu nome era Susan, mas a bela e curvilínea VV (como prefere ser chamada) parece não gostar de relembrar o passado. Se o jogador tiver sucesso em conquistar o coração de VV ganhará um belo pôster autografado, mas mesmo se falhar não fique triste, pois Gary também tem um desses em sua vasta coleção erótica.

 

Isaac: Toreador anarquista e Barão de Hollywood. Isaac é um vampiro dos velhos tempos, apegado a certas tradições de honra e respeito. Luta para manter Hollywood longe da influência da Camarilla, que considera nefasta. Mantêm uma joalheria no final da rua principal de Hollywood, onde pode ser encontrado. Ultimamente anda enfrentando problemas com uma fita de vídeo erótica de estranho conteúdo, o misterioso sumiço dos Nosferatus e um gárgula que resolveu fazer “puleiro” em um teatro de sua propriedade, além dos caçadores de vampiros que rondam o distrito.

 

 

Beckett: Gangrel solitário e erudito. Anda intrigado com os vários acontecimentos recentes, entre eles o surgimento dos sangues-fracos. Pretende descobrir a verdade sobre o sarcófago de Ankaran e acabar com as crendices e superstições que o cercam. Apesar de aparentemente não fazer parte da Camarilla, Beckett tem um espírito independente e suas qualidades de pesquisador são extremamente admiradas ao ponto de a Camarilla não o incomodar. O único desejo de Beckett é descobrir a verdade, e por isso ele o estará ajudando.

 

Skelter: Membro anarquista. Poderá ser encontrado no bar Last Round em Downtown. Será um pouco difícil no início conquistar a simpatia deste anarquista, pois para ele você não passa de “um(a) garoto(a) de recados” da Camarilla e portanto um inimigo. Talvez Skelter tenha razão. Entretanto, isso não o impedirá de confiar algumas missões se você se mostrar receptivo.

 

 

Damsel: Membro anarquista. Poderá ser encontrada no bar Last Round em Downtown. Damsel é uma espécie de “mãe” nada matriarcal para os anarquistas. Quase sempre dura e agressiva, essa moça é a “revoltada de plantão”. Não se sabe muito sobre Damsel e seu passado, mas pela vestimenta e linguagem, provavelmente ela era uma universitária de ideais marxistas e esquerdista.

Durante o jogo é possível conseguir um belo pôster “artístico” de Damsel, se você prestar alguns favores para Gary.

 

Bertram Tung: Nosferatu que se encontra em disputa com Therese Voerman pelo controle de Santa Mônica. Vive escondido em um tanque de gasolina em um posto abandonado em Santa Mônica enquanto a rixa não se resolve. Além da rixa, Bertram anda preocupado com a presença de um agente dos vampiros asiáticos que está na cidade.

 

Pisha: Vampira do clã independente nagaraja “os comedores de carne”. Pode ser encontrada nos fundos do hospital abandonado em Downtown. Seu clã precisa se alimentar de carne fresca em vez de apenas sangue. Assim como o clã Giovanni, os nagaraja têm verdadeira fixação pela morte, e Pisha procura por artefatos especiais, pelos quais recompensará bem o personagem.

 

 

Andrei: Vampiro tzmisce, e principal líder do sabá em Los Angeles. Atualmente vem causando muitos problemas à Camarilla. Provavelmente está por trás do recente sumiço dos Nosferatus de Hollywood e sabe-se deus mais o que.

Andrei usa a disciplina vicissitude para deformar a si mesmo e criar horrendas criaturas, terríveis como o pior dos pesadelos.

 

 

Ash Rivers: Vampiro abraçado por Isaac, o barão de Hollywood. Ash é um famoso ator de cinema. Ele odeia Isaac e o fato de ter se tornado um vampiro, pois perdeu todos os prazeres mortais que tanto apreciava, inclusive o de atuar. Já tentou se matar algumas vezes em acidentes de carros, mas não sofreu nenhum arranhão, e isso vem tomando a atenção da imprensa. Isaac anda zangado com as atitudes exibicionistas dele, pois ultimamente vários caçadores andam rondando o Asp Hole, clube noturno de Ash.

 

Postado por Beatrix | Arquivado em Geral, NPCs | Comentários desativados em NPCs Vampiros

 

Dano

05/11/2008

 

Durante os combates o seu personagem poderá sofrer dano. Em Vampire Masquerade The Bloodlines existem basicamente dois tipos de dano: dano comum e dano agravado.

A barra de saúde em azul à esquerda da tela indica quanto de dano o personagem recebeu, ela se recupera lentamente se o personagem ficar parado. Um modo de se recuperar mais rápido é ingerindo sangue seja atacando mortais ou através de bolsas de sangue do inventário.

Danos agravados são mostrados em amarelo e demoram muito mais tempo para se regenerar. Pode ser causado por fogo ou por qualquer fonte de origem sobrenatural (disciplinas vampíricas, garras de lobisomem, etc). Se a barra de energia se esvaziar completamente o personagem sofrerá a morte final.

 

Postado por Beatrix | Arquivado em Geral, jogando | 1 Comment »

 

Alimentação

04/11/2008

O sangue é simplesmente indispensável para um vampiro. É sua única fonte de alimentação e energia, também é aquilo que lhe permite usar suas disciplinas especiais. Sem uma quantidade de sangue razoável, além de não poder usar as disciplinas o vampiro ainda corre em risco de entrar em frenesi.

Humanos são a fonte primária de sustento dos Membros. É possível também conseguir um pouco de sangue com ratos, entretanto certos clãs como Ventrue não conseguem nenhum ponto de sangue alimentando-se dessa forma. Bolsas de sangue também podem ser usadas, se conseguir encontrá-las ou comprá-las no Banco de Sangue. No jogo há três tipos de bolsa de sangue: comum, sangue azul e sangue de ancião. Bolsas de sangue comum restauram poucos pontos de sangue (3), bolsas de sangue azul são bem mais eficientes (restaura 5 pontos) e bolsas de sangue de ancião restauram todos os pontos de sangue. Durante os combates é possível curar um pouco dos danos usando as bolsas de sangue, dessa forma a recuperação é bem mais rápida.

Sempre que atacar um mortal para sugar seu sangue é necessário um teste. Se falhar o mortal consegue se desvencilhar e até mesmo reagir contra o vampiro. Mortais comuns normalmente saem correndo, o que pode alertar a polícia e causar violação criminal e até mesmo provocar quebra da máscara. Um bom nível de combate desarmado facilita o teste de alimentar-se durante combates.

 

Para atacar uma vítima é necessário estar próximo e apertar a tecla F. Quando começar a sugar o sangue do mortal tome cuidado com a barra de alimentação, pois ela indica quanto de sangue o mortal ainda possui. Se o nível ficar muito baixo ou a barra se esgotar completamente, o mortal poderá morrer. Outra maneira de conseguir alimentar-se é seduzir mortais. Uma vez que o mortal tenha sido seduzido não há risco de violar a máscara durante a alimentação.

Para quem tiver nível alto de sedução uma forma fácil de se alimentar de humanos é seduzir as garotas (blood dolls). Isso é possível para ambos os sexos.

Em áreas de combate é possível alimentar-se de NPCs hostis e matá-los sem risco de se perder humanidade.

 

Postado por Beatrix | Arquivado em Geral, jogando | 1 Comment »

 

Humanidade

04/11/2008

Muitos vampiros escolhem a Humanidade como trilha a seguir para sobreviver no mundo mortal. Humanidade é a capacidade de manter sua natureza predatória contida, atendo-se aos conceitos humanos do certo e do errado.

Personagens com humanidade baixa são mais propensos ao frenesi, os pontos de humanidade também afetam nos diálogos. Se o personagem perder todos os pontos de humanidade será dominado pela besta e perderá o jogo.

Para não perder humanidade evite ações cruéis e principalmente matar inocentes. Certas missões no jogo acarretam ganhos em pontos de humanidade, mas também algumas levam a perda desses pontos dependendo de que forma o personagem se comporta na realização das missões. Dançar nos clubes das cidades (Asylum, Confessionário) recupera pontos de humanidade perdidos. Vá para pista e ao aparecer o ícone de dança pressione a tecla e. Para parar de dançar é só pressionar e novamente. Depois de uns cinco minutos dançando recupera-se ao menos um ponto de humanidade.

Todos os personagens começam o jogo com sete pontos em humanidade. Pontos de Experiência também podem ser investidos para aumentar a humanidade.

 

Postado por Beatrix | Arquivado em Geral, jogando | Comentários desativados em Humanidade

 

Disciplinas de NPCs Humanos

04/11/2008

No jogo essas disciplinas só estão disponíveis para os NPCs humanos, caso dos caçadores de vampiros, por exemplo.

 

Fé (Numina): Necessária para ter as disciplinas.

Escudo da fé: Cria um escudo semelhante ao escudo de sangue que absorve ataques.

Visão divina: Permite ver Auras de amigos e inimigos, mesmo os escondidos. Auras amigas vão aparecer em azul e inimigas em vermelho.

Luz Sagrada: Invocar a Luz Sagrada trará a glória de Deus sobre os mortos vivos pagãos, conseqüentemente cegando-os temporariamente para fácil matança.

Escudo da mente: Impede domínio mental através de Dominação ou Demência.

 

 

Postado por Beatrix | Arquivado em Disciplinas, Geral | 1 Comment »