Contos de Cemitério

Contos de CemitérioHá tempos que eu andava prometendo uma seção para envio de contos no site, então surgiu a idéia de incrementar um pouco a seção sobre Arte Cemiterial e pôr uma série de contos de cemitério, e acreditem, não achei nenhum site na internet, mesmo os sobre arte tumular que tivesse essa seleção temática, então criei a seção Contos de Cemitério, que traz vários artigos e contos sobre o tema.

À princípio queria só postar coisas de autores consagrados, mas depois pensei, porque não democratizar, e fiz uma seleção bem variada, têm até esse conto bem engraçado que ponho aqui para vocês se divertirem um pouco. Espero que curtam e visitem o site para ler os outros contos.

O enterro do cabo ótico.

A falta de senso crítico, aliada à ignorância por parte de certas pessoas, às vezes cria situações esdrúxulas, como a que aconteceu no interior de Goiás. Um grupo de senhoras religiosas levou anos cuidando do que julgavam ser a cova de um pobre homem, que fora enterrado quase como indigente, já que o infeliz, nunca fora visitado por parente algum. Inexplicavelmente, embora houvesse um cemitério nas proximidades, o indulgente foi sepultado bem ao lado da estrada de terra batida que cortava o lugarejo. Dona Genésia e suas amigas beatas eram as únicas pessoas que cuidavam do túmulo, aparando o mato em volta, depositando flores e acendendo velas no Dia de Finados.Durante a noite, muita gente evitava passar pelo trecho. Até que um dia, o novo Delegado de Polícia recebeu uma denúncia sobre o estranho ritual daquelas senhoras, resolvendo entrar em ação, e acabar com aquele mistério. Depois de algumas diligências, a verdade veio à tona. O defunto, em questão, não passava de uma obra de uma empresa do setor de telecomunicações, que havia instalado uma linha de fibra ótica, ligando o interior à capital do estado. A fibra ótica foi passada por baixo da terra e para evitar que alguém danificasse o equipamento, surgiu então, da noite para o dia, uma placa com os dizeres. “Atenção! Cabo Ótico enterrado aqui”. Esse mal-entendido custou muitas velas, flores e muitos sustos às pessoas que por ali transitavam. Houve até quem jurasse ter visto o fantasma do cabo ótico perambulando pelas cercanias. Coisas do Brasil. Acredite se quiser!

Por Maurílio Silva – silmaster@yahoo.com.br

3 comments

  1. venho por meio desse post, agradece-la pela abundante informacao que vos acrescentastes ao nosso humilde trabalho de graduacao na ''UNIVERSIDADE METODISTA DE SAO PAULO'' sobre renascimento…. se a vossa pessoa puder de alguma maneira nos ajudar a enriquecer ainda mais o nosso trabalho, agradeceriamos . qualquer ajuda seria muito bem vinda…sem mais… muito obrigado…

    ass henry…. henryash@bol.com.br

  2. Por favor seria possivel vc enviar textos ou sites que poderia encontra historia sobre cemiterio. Estou fazendo um trabalho final de graduação em arquitetura . Obrigado se poder me ajudar

  3. Falando em cemitérios, recomendo "The graveyard book", por Neil Gaiman, que conta a história de um garoto criado pelos fantasmas de um cemitério depois que sua família foi assassinada.
    E mais não digo para não tirar o prazer de quem quiser ler.

Comentários estão fechados.