Cruz e Sousa

Cruz e Sousa (1861-1898) atravessou a vida num silêncio escuro. Errante, trêmulo, triste e vaporoso, o negro e sublime poeta nascido no Desterro em 1861 suportou o peito dilacerado com a convicção da glória.

O Cisne Negro não se amedrontou diante de austeras portas lacradas. Maldito pela grandeza e pelo elixir ardente de versos capazes de arrebatar paixões até a atualidade, quando se completam os cem anos de morte.

“Ó Lua, Lua triste amargurada, fantasma de brancuras vaporosas, a tua nívea luz ciliciada Faz emurchecer e congelar as rosas”

De pranto e luar, sangue e sensualidade, lágrimas e terra construiu uma obra de estímulo às paixões indefiníveis. Mestre do Simbolismo no Brasil, aliou genialidade a um meticuloso rigor. Celebrado só depois de morto, o Poeta de Desterro foi um homem apaixonado, autor de versos transcendentais que ganharam o mundo.

Ele via a perfeição como celeste ciência, mas não saboreou a imortal conquista. Antes de morrer tuberculoso em Minas Gerais, em 19 de março de 1898, o poeta ensinou a alma palpitante, a fibra e sobretudo que “era preciso ter asas e ter garras”.
João da Cruz e Sousa nasceu em Desterro, atual Florianópolis. Filho de escravos alforriados pelo Marechal Guilherme Xavier de Sousa, seria acolhido pelo Marechal e sua esposa como o filho que não tinham. Foi educado na melhor escola secundária da região, mas com a morte dos protetores foi obrigado a largar os estudos e trabalhar. Sofre uma série de perseguições raciais, culminando com a proibição de assumir o cargo de promotor público em Laguna, por ser negro. Em 1890 vai para o Rio de Janeiro, onde entra em contato com a poesia simbolista francesa e seus admiradores cariocas. Colabora em alguns jornais e, mesmo já bastante conhecido após a publicação de Missal e Broquéis (1893), só consegue arrumar um emprego miserável na Estrada de Ferro Central. Casa-se com Gavita, também negra, com quem tem quatro filhos, dois dos quais vêm a falecer. Sua mulher enlouquece e passa vários períodos em hospitais psiquiátricos. O poeta contrai tuberculose e vai para a cidade mineira de Sítio se tratar. Morre aos 36 anos de idade, vítima da tuberculose, da pobreza e, principalmente, do racismo e da incompreensão.

CRONOLOGIA
  • 1861. Nasce na cidade de Nossa Senhora do Desterro, hoje Florianópolis, capital da província, hoje Estado de Santa Catarina, no dia 24 de novembro. Educado por Dona Clarinda Fagundes de Sousa e seu marido, coronel, mais tarde marechal-de-campo Guilherme Xavier de Sousa, passou a viver como filho de criação, no solar do casal. Filho de Guilherme, mestre pedreiro, escravo do marechal, que herdara de seus pais, e de Carolina Eva da Conceição, lavadeira e escrava liberta por ocasião do seu casamento, ambos negros, tendo recebido o nome do santo do dia, o grande místico São João da Cruz e, como sobrenome, o nome da família do senhor de seu pai, como então era freqüente fazer. Batizado em 24 de março de 1862.
  • 1865/1866. Primeiras letras com a sua protetora Dona Clarinda de Sousa.
  • 1868. Leitura ao marechal Xavier de Sousa dos primeiros versos.
  • 1869. Entra para a escola pública do “velho” Fagundes, irmão de dona Clarinda. Começa a recitar poesias suas, em salões, concertos e teatrinhos.
  • 1870. Falecimento do Marechal Xavier de Sousa.
  • 1871. Matricula-se no Ateneu Provincial Catarinense.
  • 1874. Em julho, começa a lecionar no Ateneu o eminente naturalista alemão Fritz Müller, (1822-1897), amigo e colaborador de Haeckel e Darwin.
  • 1875. No fim do ano, Cruz e Sousa deixa o Ateneu, que cursou durante cinco anos, estudando francês com João José de Rosas Ribeiro, pai do seu grande amigo Oscar Rosas; latim, inglês e grego com o orientalista Padre Leite de Almeida, reitor do Instituto; matemática e ciências naturais com Fritz Müller; inglês com Anfilóquio Nunes Pires. “Distinguiu-se acima de todos os seus condiscípulos”(Virgílio Várzea).
  • 1876. Em outubro deixa o Ateneu Fritz Müller. Grandes elogios a Cruz e Souza, e o seu caso apresentado como reforço de suas opiniões anti-racistas. (Carta a Hermann Müller).
  • 1877. Ensina particular, preparando especialmente professores para o magistério público. Versos publicados em jornais da província.
  • 1881. Funda, com Virgílio Várzea e Santos Lostada, o jornalzinho hebdomadário literário Colombo. Número consagrado a Castro Alves, por ocasião da morte deste. Primeira viagem de Cruz e Sousa, “percorrendo todo o Brasil- de Norte a Sul”, acompanhando a Companhia Dramática Julieta dos Santos, na qualidade de ponto. Adesão ao Parnasianismo. Leituras de Baudelaire, Leconte de Lisle, Leopardi, Guerra Junqueiro, Antero de Quental, entre outros.
  • 1882. Começa a redigir a A Tribuna Popular. Participa da “Guerrilha Catarinense”, violenta polêmica literária pró e contra o Realismo.
  • 1883. Nomeado presidente da Província o sociólogo Dr. Francisco Luís da Gama Rosa. Cruz e Sousa regressa do Norte, tendo realizado conferências abolicionistas em várias capitais; é aproximado do Presidente Gama Rosa.
  • 1884. Deixando o governo, Gama Rosa nomeia Cruz e Sousa Promotor de Laguna. O ato foi impugnado pelos chefes políticos, não tendo o poeta tomado posse. Novamente no Norte. Artigos enviados da Bahia, de janeiro à abril. Homenagem na Bahia, promovida pela Gazeta da Tarde e os clubes abolicionistas “Libertadora Baiana” e “Luís Gama”.
  • 1885. Aparece Trapos e Fantasias, em colaboração com Virgílio Várzea. Assume a direção do jornal ilustrado “O Moleque”, título dado em desafio ao preconceito racial.
  • 1866. Excursão ao Rio Grande do Sul. De volta, encontro com a pianista loura da Praia de Fora, que aparece em várias de suas poesias da época.
  • 1887. Trabalha na Central de Imigração. Oscar Rosas convida-o a vir ao Rio de Janeiro.
  • 1888. Breve estada no Rio de Janeiro onde conhece Luís Delfino, seu muito admirado conterrâneo, B. Lopes e Nestor Vítor. Lê transmitidas por Gama Rosa, obras de Edgar Allan Poe, Huysmans, Sâr Péladan, Villiers de L’Isle Adam e outros.
  • 1889. Retorna ao Desterro a 17 de março, por não Ter conseguido colocação no Rio de Janeiro. Leituras de Flaubert, Maupassant, os Goncourt, Alphonse Karr, Theóphile Gautier, Gonçalves Crespo, Cesário Verde, Teófilo Dias, Delfino, Ezequiel Freire, B. Lopes. Duas poesias no Novidades, em janeiro, antes de sua volta a Santa Catarina. Entusiasmo de Raul Pompéia ouvindo Oscar Rosas ler “Asas Perdidas” de Cruz e Souza, no Teatro Lírico, num intervalo de Aída.
  • 1890. Vinda definitiva para o Rio de Janeiro, provavelmente em novembro. Colabora na Revista Ilustrada, de Ângelo Agostini. Oscar Rosas lança o movimento “Norte-Sul”, pela literatura sulina. Colaboração no Novidades, de que era secretário Oscar Rosas, a 27 de dezembro. Primeiro emprego no Rio de Janeiro, proporcionado por Emiliano Perneta.
  • 1891. Falecimento no Desterro, de Carolina, sua mãe. Artigos-manifestos do Simbolismo, na Folha Popular de que era secretário Emiliano Perneta. Colaborava também em O Tempo. Residia na Rua do Lavrador n.º 17.
  • 19892. Vê Gavita Rosa Gonçalves, também negra, pela primeira vez, em 18 de setembro. Colabora na Cidade do Rio, de José do Patrocínio.
  • 1893. Publica, antes de 28 de fevereiro, Missal e, em 28 de agosto, Broquéis. Casa-se, a 09 de novembro, com Gavita, em plena Revolta da Armada. Nomeado Praticante de Arquivista da Central do Brasil.
  • 1894. Promovido a Arquivista com 250$000 mensais.
  • 1895. Recebe a visita de Alphonsus de Guimaraens, vindo de Minas Gerais especialmente para vê-lo.
  • 1896. Morte do “mestre” Guilherme, seu pai (telegrama de 29 de agosto), com cerca de 90 anos. Em março loucura de Gavita (v. Balada dos Loucos, de Evocações, e Ressurreição de Faróis) a qual durou seis meses. Reuniões no “Antro”, num 2º andar da rua do Senado.
  • 1897. Pronto para o prelo Evocações, que sairá postumamente. Residia na casa n.º 48 da Rua Teixeira Pinto(hoje Cruz e Sousa), Encantado.
  • 1898. Morre a 19 de março, em Sítio, Estado de Minas Gerais, para onde partira três dias antes. O seu corpo chegou no dia seguinte ao Rio de Janeiro, num carro de transporte de cavalos. José do Patrocínio encarregou-se dos funerais. Foi enterrado no Cemitério de São Francisco Xavier, falando junto ao túmulo Nestor Vítor. Aparece Evocações, em edição promovida por Saturnino de Meireles.
  • 1899. Conferência , no Ateneu, em Buenos Aires, do poeta e diplomata boliviano Ricardo Jaimes Freyre, a 28 de agosto. Maeterlinck, em carta a Nestor Vítor, manifesta interesse em patrocinar o lançamento do Poeta Negro na França, sendo encarregado João Itiberê da Cunha a efetuar a necessária tradução dos textos do poeta para o francês, que nunca foi feita. Aparece Cruz e Sousa de Nestor Vítor.
  • 1900. Aparece Faróis, coletânea organizada por Nestor Vítor.
  • 1901. Morre Gavita, a 13 de setembro. Dos seus filhos (Raul, Guilherme, Reinaldo, João) dois morreram antes dela, um imediatamente depois; sobreviveu João, póstumo, nascido a 30 de agosto de 1898.
  • 1904. Inauguração de novo túmulo, encimado por busto da autoria de Maurício Jobim, em 15 de maio.
  • 1905. Aparece Últimos Sonetos, em Paris, edição dirigida por Nestor Vítor.
  • 1915. Morre João da Cruz e Souza, último filho do poeta, em 15 de fevereiro, de tuberculose pulmonar, como seu pai, sua mãe e seus irmãos.
  • 1919. É inaugurada placa comemorativa no antigo solar do Marechal Xavier de Sousa, em Florianópolis, a 25 de dezembro.
  • 1923. Em comemoração do 25º aniversário da morte do poeta aparece a primeira edição de suas Obras Completas, organizado por Nestor Vítor, o 1º volume a 15 de março, o 2º a 01 de outubro. É erigida em Florianópolis, no Largo Benjamin Constant, uma herma do poeta, a 07 de abril.
  • 1943. Destruído pelo tempo, devido ao material friável em que fora realizado, o busto da autoria de Maurício Jobim, promove o estadista Nereu Ramos a construção de um mausoléu definitivo, de cuja concepção e realização foi encarregado o escultor Hildegardo Leão Veloso; inaugurado a 05 de agosto, tendo pronunciado orações o Embaixador Edmundo da Luz Pinto e o poeta Tasso da Oliveira. Aparecem no livro A Poesia Afro-Brasileira os importantes “Quatro Estudos Sobre Cruz e Sousa” de Roger Bastide.

FONTES

Bibliografia

ADONIAS FILHO. Cruz e Sousa. Jornal do Commércio. Rio, 19 nov. 1961.
AYALA, Walmir. Letras e Artes – Homenagem a Cruz e Sousa. A Marcha. Rio, 08 nov. 1961.
_____. Cruz e Sousa – obra completa. Correio da Manhã. Rio, 11 nov. 1961.
_____. Ainda Cruz e Sousa. Jornal do Commércio. Rio, 14 nov. 1961.
ALVES, Henrique. Cruz e Sousa: o Dante negro. São Paulo, Associação Cultural do Negro, 1961, 94p.
_____. Cruz e Sousa: o Dante negro. A Gazeta, Florianópolis, 11 ago. 1961.
ALVES, Uelinton Farias. Reencontro com Cruz e Sousa. Florianópolis, Papa-Livro Editora, 1990, 107p.
AMARAL, Glória Carneiro do. Trajetos do Baudelairianismo Brasileiro: Teófilo Dias e Cruz e Sousa. Anais – Vol. III: 2o Congresso ABRALIC. Belo Horizonte, 8 a 10 ago. 1990.
ANTELO, Raul. Literaturas Sincrônicas: Cruz e Sousa em Jaimes Freyre. Boletim Bibliográfico, Biblio- teca Mário de Andrade. Sec. de Cultura de São Paulo, São Paulo, v. 49, n. 1/4, p. 165-175, 1988.
APÓSTOLO, Nicolau. Da impossibilidade de Cruz e Sousa ter sido aluno de Fritz Müller. A Gazeta. Florianópolis, 25 nov. 1961.
ARAÚJO, Murilo. Cruz e Sousa: simbolista essencial. Jornal do Commércio. Rio, 26 nov. 1961.
ARROYO, Leonardo. Vida Literária – O poeta Cruz e Sousa. O Estado de São Paulo. São Paulo, 19 nov. 1961.
ATHAYDE, Tristão de. Anacronismo e Precaução. Jornal do Brasil. Rio, 09 jun. 1961.
________. O Laocoonte Negro. Jornal do Brasil. Rio, 09, out. 1975.
AUGUSTO, José. Cruz e Sousa. Diário do Paraná, Curitiba, 26, out. 1961.
AZEVEDO, Sânzio de. Desarticulação rítmica e irregularidades métricas no Simbolismo Brasileiro. In: Revista de Cultura Vozes. No 8, out. 1977.
BALAKIAN, Anna. O Simbolismo. São Paulo, Perspectiva, 1985, p.88.
BANDEIRA, Manuel. Cruz e Sousa. Correio da Manhã. Rio, 19 nov. 1961.
BARBOSA, Walter. Aspectos metafísicos no simbolismo de Cruz e Sousa. Correio Brasiliense. Brasília, 10 mar. 1972.
BOI DE MAMÃO, no Especial. Cruz e Sousa. Florianópolis, Fundação Catarinense de Cultura/IOESC, 1980.
BOITEUX, Lucas Alexandre. Cruz e Sousa, o aedo negro. A Gazeta de Notícias. Rio de Janeiro, 26 nov. 1961.
BORBA, Helena Caminha. Cruz e Sousa. O Estado. Florianópolis, 22 nov. 1961, p.3.
BOSI, Alfredo. Cruz e Sousa. História Concisa da literatura brasileira. São Paulo, Cultrix, 1975, p. 302- 310.
BRAYNER, Sônia. Cruz e Sousa: Missal e Evocações. Labirinto do espaço romanesco. Tradição e renovação da literatura brasileira: 1880-1920. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, Brasília: INL, 1979, p. 237-239.
BROOKSHAW, David. Raça e cor na literatura brasileira. Porto Alegre, Mercado Aberto, 1983, p.155- 160.
BRUNO, Haroldo. Onde o crítico completa o Biógrafo. O Globo. Rio, 21 set. 1975.
CABRAL, Oswaldo Rodrigues. Cruz e Sousa. Nossa Senhora do Desterro. Florianópolis, Editora Lunardelli, 1979, p.142-144.
CALLADO JUNIOR, Martinho. Cruz e Sousa: o Negro. Interpretações. Florianópolis, Ed. Comissão Oficial de Festejos, 1962.
CASTRO, Sílvio. Cruz e Sousa, Poesia e Centenário. Cadernos Brasileiros, Rio, 1961.
CANDIDO, Antonio e CASTELLO, José Aderaldo. Presença da literatura brasileira. São Paulo, Difel, 1976, v.2 (Realismo e Simbolismo), p. 239-250.
CARDOSO, Zélia de Almeida. A lua musical de Cruz e Sousa. Língua e Literatura. V. 9, São Paulo, Revista dos departamentos de Letras da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP, 1980.
CÉSAR, Guilhermino. Literatura $ Cifrão. Correio do Povo. Porto Alegre, 29 nov. 1980.
________ . Inéditos de Cruz e Sousa. Correio do Povo, supl. Lit. Caderno de Sábado. Porto Alegre, 06 jul. 1974.
________ . Variantes de Cruz e Sousa. Correio do Povo, supl. Lit. Caderno de Sábado. Porto Alegre, 13 jul. 1974.
CORRÊA, Nereu. O amigo de Cruz e Sousa. O Estado. Florianópolis, 22 jul. 1984.
________ . Os amigos de Cruz e Sousa. Jornal de Letras. No 398, nov. 1984.
________ . Novos inéditos de Cruz e Sousa. Cultura supl. Lit. O Estado de São Paulo. São Paulo, 14 nov.1982.
________ . Dois poetas, dois destinos. Jornal de Letras, jul. 1981.
________ . Uma biografia de Cruz e Sousa (R. Magalhães Júnior). A tapeçaria lingüística d’Os Sertões e outros estudos. São Paulo, Quíron; Brasília, INL, 1978, p. 58-60 e 61-64.
________ . Cruz e Sousa: o homem e a poesia. Jornal de Letras. Jun. 1974.
________ . O Canto do Cisne Negro. Interpretações. Florianópolis, Ed. Comissão Oficial de Festejos, 1962.
________ . O Canto do Cisne Negro e outros estudos. Florianópolis, Departamento de Cultura da Secretaria de Educação e Cultura de Santa Catarina, 1964, p. 15-49.
COSTA, Nelson. Vida Cultural: O Centenário do Poeta Negro. Correio da Manhã. Rio, 24 nov. 1961.
COUTINHO, Afrânio. Cruz e Sousa. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira; Brasília, INL, 1979 (Col. Fortuna Crítica, v. 4).
CRESPO, Ángel. Muestrario de Poemas Simbolistas Brasileños. Revista de Cultura Brasileira. Tomo VI, no22, set. 1967.
D’EÇA, Othon. Cruz e Sousa. Interpretações. Florianópolis, Ed. Comissão Oficial de Festejos, 1962.
DELGADO, Luiz. Revelações sobre Cruz e Sousa. Jornal do Commércio. Rio, 29 abr. 1962.
Diário Catarinense no Especial, “Cruz e Sousa: 90 anos sem o gigante do simbolismo”. Florianópolis, 20 mar. 1988.
ECKERT, Ivo. Cruz e Sousa: um simbolista que marcou época. A Gazeta, Florianópolis, 01 out. 1961, p.6.
EDITORIAL. O Simbolismo no Brasil. O Estado de São Paulo. São Paulo, 25 nov. 1961.
Espezim, Rossana. Cruz e Sousa, trágico e requintado. O Estado. Florianópolis, 19 mar. 1988.
FIRMINO, Carmen L. Z. Pessanha e Cruz e Sousa: Divergência Temática. Anais 1o e 2o Simpósios de Literatura Comparada. Org. Eneida M. De Sousa e Júlio C. M. Pinto. Belo Horizonte, UFMG,1987,v.2.
FLORES, Altino. A mocidade de Cruz e Sousa. A Gazeta. Florianópolis, 1961.
FONTES, Henrique da Silva. Os primeiros versos de Cruz e Sousa e os versos de circunstância. Temas Catarinenses. Florianópolis Ed. do Autor, 1962.
_________. O nosso Cruz e Sousa. Florianópolis, Ed. do Autor, 1961.
_________. O nosso Cruz e Sousa. Interpretações. Florianópolis, Ed. Comissão Oficial de Festejos, 1962.
FREITAS, José João de Oliveira. A cosmovisão poética de Cruz e Sousa. Diário de Notícias. Porto Alegre, 18 de Novembro 1973.
GÓES, Fernando. Cruz e Sousa. O Globo. Rio, 24 de Novembro de 1966.
_________. Cruz e Sousa ou o Carrasco de si mesmo. O Espelho Infiel. São Paulo, Conselho Estadual de Cultura, 1966, p. 63-94.
_________. “Tabela: Cruz e Sousa”. In: Suplemento dom. Jornal do Brasil. Rio, 26 de Novembro 1961.
_________. Centenário de Cruz e Sousa. Jornal do Comércio. Rio, 26 de Novembro de 1961.
GOMES, Álvaro Cardoso. A estética Simbolista. São Paulo, Cultrix, 1985, p. 112-115.
_________. Cruz e Sousa na Bahia. Jonal do Comércio. Rio, 19 Novembro de 1961.
GONÇALVES, Aguinaldo José (org.). Cruz e Sousa (Seleção de textos, notas, estudos biográficos, históricos e críticos e exercícios por–) São Paulo, Abril Educação 1982.
GOUVÊA, Paulo de. O Cisne negro do Desterro. Correio do Povo. Porto Alegre, 16 Setembro 1981.
GUIMARÃES, Júlio Castañon. Simbolismo e Cruz e Sousa. Cruz e Sousa. Últimos Sonetos. Rio de Janeiro, Fundação da Casa Rui Barbosa, Florianópolis, Ed. da UFSC/Fundação Catarinense de Cultura 1984, p. XIII-XXVII.
GUIMARÃES, Torrieri. Bilhete a Evaldo Pauli. Folha da Tarde. São Paulo, 17 Agosto 1973.
HELOU Filho, Espiridião Amim. Apresentação. Cruz e Sousa. Evocações. Florianópolis, Fundação Catarinense de Cultura, 1986.
HORTA, Anderson Braga. Cruz e Sousa: O Longo Aprendizado. Supl. Lit. Minas Gerais. Belo Horizonte 6 Outubro 1977.
JAHN, Janheinz. La Literatura Afroamericana del siglo XIX. Las Literaturas Neoafricanas. Madrid, Ediciones Guadarrama 1971.
JUNKES, Lauro. Cruz e Sousa. Oitenta Anos da Morte. Supl. Lit. Minas Gerais, n. 637, 16 Dezembro 1978.
_________. Presença da Poesia em Santa Catarina. Florianópolis, Ed. Lunardelli, 1979, p. 82-96.
_________. Cruz e Sousa: A Existência e a Transcendência. Supl. Lit. No959, 16 Fev. 1985.
_________. Cruz e Sousa: Da vida obscura ao triumfo supremo. In: O mito e o rito. Florianópolis, UFSC, 1987, p.17-29.
JUVENAL, Ildefonso. Fritz Müller e seu discípulo Cruz e Sousa. O Estado. Florianópolis, 5 de Nov. 1961.
KURY, Adriano da Gama. Nota Introdutória. Cruz e Sousa. Últimos Sonetos. Rio de Janeiro, Fundação Casa de Rui Barbosa; Florianópolis, UFSC e Fundação Catarinense de Cultura, 1984 p. IX a XII.
L.M. Crônica. O Estado de São Paulo. São Paulo, 04 Dez. 1975.
LEMINSKI, Paulo. Cruz e Sousa, o negro branco. São Paulo, Brasiliense, 1983, 60p.
_________. Vida, Cruz e Sousa, Bashô, Jesus e Trotski. Porto Alegre, Sulina, 1990, p.13-68.
LINHARES, Temístocles. O Simbolismo. Supl. Lit. O Estado de São Paulo. São Paulo, 12 Maio 1974.
LOPES, Oneide. Cruz e Sousa, um poeta discriminado. Diário da Manhã. Goiânia, 25 Nov. 1982.
MAGALHÃES, Adelino. Cruz e Sousa. Jornal do Comércio. Rio, 19 Nov. 1961.
MAGALHÃES Jr. R. Revelações sobre Cruz e Sousa, nas memórias inéditas de Araújo Figueiredo. Revista Brasileira de Cultura. MEC – Conselho Federal de Cultura, Ano III, jan./mar. 1971, n. 7.
_________. Poesia e Vida de Cruz e Sousa. 3. ed. refundida e aum. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira; Brasília, INL, 1975, 381p.
MAIA, Jorge. Desencontro com Cruz e Sousa. Correio da Manhã. Rio, 30 Dez. 1961.
MALHEIROS, Eglê. Cruz e Sousa – Uma interpretação. Interpretações. Florianópolis, Ed. Comissão Oficial de Festejos, 1962.
MARTINS, Wilson. Um Parnasiano (I), O Estado de São Paulo, São Paulo, 5 Ago. 1961.
_________. O Simbolismo Brasileiro. O Estado de São Paulo. São Paulo, 10 Fev. 1974.
_________. Um Parnasiano (II). O Estado de São Paulo. São Paulo, 12 Ago. 1961.
_________. Cruz e Sousa – O Dante Negro. Leitura. Out. 1961.
_________. Floresta de Símbolos. O Estado de São Paulo. São Paulo, 22 Jul. 1967.
_________. O Cisne Negro. Supl. Lit. O Estado de São Paulo. São Paulo, 24 Fev. 1962.
MATTOS, Delton de. Raízes do Simbolismo de Novalis a Cruz e Sousa. Humanidades, n.16, Brasília, 1988.
MEDEIROS, Estácio. O maior mea-culpa do Brasil, reabilitação de Cruz e Sousa. Leitura, Dez. 1961.
MELO Filho, Osvaldo Ferreira de. Cruz e Sousa – o estilista. Interpretações. Florianópolis, Ed. Comissão Oficial de Festejos, 1962.
MELO, Oswaldo Ferreira de. Cruz e Sousa e o mais alto vôo das letras catarinenses. Introdução à história da literatura catarinense. Porto Alegre, Editora Movimento, 1980, p. 86-93.
MERQUIOR, João Guilherme. O Poeta Pensador. Supl. Dom. Jornal do Brasil, Rio, 18 Fev. 1961.
_________. O que vamos ler. Correio da Manhã. Rio, 13 Maio 1961.
MIGUEL, Salim. Informação literária. O Estado. Florianópolis, 06 Jul. 1961.
_________. O Pretinho da Antiga Desterro. O Castelo de Frankstein, Anotações sobre autores e livros. Florianópolis, Editora da UFSC/Lunardelli, 1990,v. 2. 31-35.
_________. O Pretinho da Antiga Desterro. Correio da Manhã. Rio, 09 Dez. 1961.
MOISÉS, Massaud. O Simbolismo. São Paulo, Editora Cultrix., 1973, p. 105-120, p. 217-224.
MONTENEGRO, Abelardo F. Cruz e Sousa e o movimento simbolista. 2a ed. Florianópolis, FFC Edições, 1988, 216p.
MOSER, Gerald N. Alguns Sonetos Esquecidos de Cruz e Sousa. Revista da Faculdade de Letras de Lisboa. III Série, no 13, 1972.
MOUTINHO, Nogueira. Nota prévia a Cruz e Sousa. Supl. Lit. Folha de São Paulo. São Paulo, 10 Nov. 1963.
MURICY, José Cândido de Andrade. Para conhecer melhor Cruz e Sousa. Rio de Janeiro, Bloch Editores, 1973.
_________. Violões que choram. Jornal do Commércio, 1961.
_________. Retrato de Cruz e Sousa. Jornal do Commércio. Rio, 19 Nov. 1961.
_________. A propósito de Cruz e Sousa. Jornal de Letras, Abr. 1962.
_________. O Cisne Negro Cruz e Sousa (1861-1961). Revista Interamericana de Bibliografia. Washington, Jan./Jun. 1962.
_________. A exposição de Cruz e Sousa. Jornal do Commércio. Rio, 20 Dez. 1961.
_________. A explosão Cruz e Sousa. Afrânio Coutinho (org.) A Literatura no Brasil. 2a ed. Rio de Janeiro, Editorial Sul-Americano S.A., 1989, p.85-95.
MUZART, Zahidé L. Humilhador e ofendidos na poesia de Cruz e Sousa. Diário Catarinense. Florianópolis, 23 Maio 1988.
_________. Algumas constantes na crítica de Cruz e Sousa. Diário Catarinense. Florianópolis, 09 maio 1988.
_________. África triunfante. Diário Catarinense. Florianópolis, 06 Jun. 1988.
_________. A vingança de Calibã. Diário Catarinense. Florianópolis, 20 Jun. 1988.
_________. Mosaicos. Diário Catarinense. Florianópolis, 19 Set. 1988.
_________. Defesa e luta: a poesia de Cruz e Sousa. Cruz e Sousa. Série escritores catarinenses no 3 org. Iaponan Soares e Flávio José Cardozo. Florianópolis, FCC, 1991, p. 4-10.
_________. O “popular” na poesia do jovem Cruz e Sousa. Trabalho apresentado no Seminário Regional da ABRALIC “Identidade e Representação”. Florianópolis, 1991.
NEVES, Gustavo. Cruz e Sousa: o poeta de alma branca. A Gazeta. Florianópolis, 12 Nov. 1961, p. 1.
_________. O que diz do poeta catarinense o escritor cearense. A Gazeta. Florianópolis, 19 Nov. 1961, p.1.
_________. Aos descendentes de Cruz e Sousa. A Gazeta. Florianópolis, 10 Dez. 1961, p. 8.
NUNES, Cassiano. Castro Alves ante a poesia do nosso tempo. Correio Brasiliense. Brasília, 28 Abr. 1972.
OLIVEIRA, Franklin de. Os Simbolistas. Literatura e Civilização. DIFEL/MEC, 1978.
_________. Os Simbolistas (I). Correio da Manhã. Rio, 23 Ago. 1971.
_________. A redescoberta de dois poetas do Simbolismo brasileiro. Folha de São Paulo. São Paulo, 18 Set. 1981.
_________. Motivos e heranças do simbolismo brasileiro. Folha de São Paulo. São Paulo, 7 Mar. 1982.
PARAGUASSU, João. Cruz e Sousa. Correio da Manhã. Rio, 26 Jun. 1967.
PAULI, Evaldo. Cruz e Sousa, poeta e pensador. São Paulo, Editora do Escritor, 1973.
PICCHIO, Luciana Stegagno. Symbolisme au Brésil 1893 (Le crépuscule des peuples). La Littérature Brésilienne. Paris, Presses Universitaires de France, 1981, p. 59-66.
PIERRE, Arnaud. Cruz e Sousa e a sua época. Correio da Manhã. Rio, 18 Nov. 1961.
_________. Centenário de Cruz e Sousa. Jornal do Commércio. Rio, 24 Nov. 1961.
PIRES, Aníbal Nunes. Cruz e Sousa – o poeta. Interpretações. Florianópolis, Ed. Comissão Oficial de Festejos, 1962.
PÓLVORA, Hélio. Revendo Alphonsus. Jornal do Brasil. Rio, 19 Ago. 1970.
_________. Cruz e Sousa. Jornal do Brasil. Rio. 09 Maio 1973.
PORTELLA, Eduardo. Configuração estilística de Cruz e Sousa (I). Jornal do Commércio. Rio, 08 Out. 1961.
_________. Configuração estilística de Cruz e Sousa (II). Jornal do Commércio. Rio, 15 Out. 1961.
_________. Obra Completa de Cruz e Sousa. Jonal do Commércio. Rio, 26 Out. 1961.
RÉGIS, Maria Helena C. Linguagem e versificação em Broquéis. Porto Alegre, Editora Movimento; Florianópolis, Editora da UDESC, 1976.
_________. Introdução Cruz e Sousa. Poesia Completa. Florianópolis, FCC Edições, 1981, p. IX-XXIV.
_________. Cruz e Sousa, poeta em prosa e verso. Pantanal, Revista Cultural da ELASE, no 16, Ago. 1987, p. 16.
REIS, Roberto. Leitura do Poema “Velho Vento”, de Cruz e Sousa. Revista Letras, no 27, Curitiba, 1978.
SACHET, Celestino. Cruz e Sousa Revisitado. Supl. Lit. Minas Gerais. Belo Horizonte, no 615, 15 Jul. 1978.
_________. A obra de arte e o crítico. O Estado. Florianópolis, 17 Maio 1981.
_________. Minha poesia (quase) completa. O Estado. Florianópolis, 13 Set. 1981.
_________. A literatura catarinense.Florianópolis, Editora Lunardelli, 1985, p. 58-62.
SALLES, Heráclio. Cruz e Sousa completo e outros acontecimentos. Jornal do Brasil. Rio, 26 Out. 1961.
_________. Convívio Poético. Jornal do Brasil. Rio, 01 Nov. 1961.
_________. Academia Brasileira de Letras. Mostra Brasileira em Buenos Aires: Cruz e Sousa. Jornal do Commércio. Rio, 02 Nov. 1962.
SANT’ANNA, Affonso Romano de. Aquele poeta negro. 20 Mar. 1988.
SÃO THIAGO, Arnaldo. Cruz e Sousa – Êmulo dos Maiores Poetas da Humanidade. Jornal do Commércio. Rio, 24 Nov. 1961.
SAYERS, Raymond. The Black Poet in Brazil. The case of João Cruz e Sousa. Luso-Brazilian Review. V. 15, Supplementary Issue Summer, 1978.
SAYERS, Raymond. The Black Poet in Brazil. The case of João Cruz e Sousa. Luso-Brazilian Review. V. 15, Supplementary Issue Summer, 1978.
_________. O poeta negro no Brasil: O caso de João Cruz e Sousa. Onze Estudos de Literatura Brasileira. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1983, p. 81-114.
SEIXAS NETTO, Amaro. Cruz e Sousa: poeta ou gênio na poesia? A gazeta. Florianópolis, 18 Maio 1961, p. 8.
SILVEIRA, Tasso da. Intróito a um ensaio sobre Cruz e Sousa. Jornal do Commércio, Rio, 19 Nov. 1961.
_________. Meditação sobre Cruz e Sousa. Jornal de Letras, Dez. 1961.
Soares, Iaponan. A prosa de Cruz e Sousa. Diário Catarinense. Florianópolis, 25 Ago. 1986.
_________. Os simbolistas catarinenses e os pseudônimos. Diário Catarinense. Florianópolis, 2 Mar. 1987.
_________. Uma musa para muitos poetas. Diário Catarinense. Florianópolis, 7 Set. 1987.
_________. Cruz e Sousa preso por Lauro Müller? Diário Catarinense. Florianópolis, 13 Out. 1987.
_________. Uma fotobiografia de Cruz e Sousa? Diário Catarinense. Florianópolis, 02 Nov. 1987.
_________. Uma aventura de Cruz e Sousa. Diário Catarinense. Florianópolis, 10 Nov. 1987.
_________. Cruz e Sousa personagem de romance. Diário Catarinense. Florianópolis, 16 Nov. 1987.
_________. Alguns amigos de Cruz e Sousa. Diário Catarinense. Florianópolis, 30 Nov. 1987.
_________. Outros amigos de Cruz e Sousa. Diário Catarinense. Florianópolis, 14 Dez. 1987.
_________. Cruz e Sousa e a abolição da escravatura. Diário Catarinense. Florianópolis, 11 Jan. 1987.
_________. Padre Paiva, uma admiração de Cruz e Sousa. Diário Catarinense. Florianópolis, 18 Jan. 1988.
_________. Componentes autobiográficos em Evocações. Diário Catarinense. Florianópolis, 17 Fev. 1988.
_________. Alguns amigos de Cruz e Sousa. Jornal de Santa Catarina. Blumenau, 13 e 14 Mar. 1988.
_________. Cruz e Sousa e seus últimos livros. Diário Catarinense. Florianópolis, 16 Mar. 1988.
_________. Cruz e Sousa levou a pior em briga de casal. Diário Catarinense. Florianópolis, 30 Mar. 1988.
_________. Ao redor de Cruz e Sousa,com inéditos de Cruz e Sousa. Florianópolis, Editora da UFSC, 1988, 104p.
_________. A edição de Tropos e Fantasias. Diário Catarinense. Florianópolis, 27 Abr. 1988.
_________. A carreira editorial de Cruz e Sousa. Diário Catarinense. Florianópolis, 16 Maio 1988.
SOUZA, Silveira de. Cruz e Sousa e Schopenhauer. A Gazeta, Florianópolis, 12 Jul. 1961.
TEIXEIRA, Hélio C. O Simbolismo e a poesia de Cruz e Sousa. Jornal do Commércio, 29 Maio 1968.
TILL, Rodrigues. Cruz e Sousa e o Rio Grande do Sul. Florianópolis, FCC, 1981, 60 p.
TORRES, Artur de Almeida. Cruz e Sousa, aspectos estilísticos. Rio de Janeiro, Livraria São José, 1975.
TORRES, C. O Simbolismo no Brasil nasceu com Cruz e Sousa. Diário de São Paulo. São Paulo, 18 Jul. 1971.
TRIDAPALLI, Yolanda Soares. Estudos do vocabulário de Cruz e Sousa a partir de uma abordagem estatística. Niterói, Universidade Federal Fluminense, Instituto de Letras, 1978, 128p. (Dissertação de Mestrado).
VALLADÃO, Tânia Cristina T. Corrêa. Arte e revolta em Cruz e Poe. Jornal de Santa Catarina. Blumenau, 15 nov. 1987.
_________. De arte e de dor (Proposta nova para a leitura de Evocações). Florianópolis, Universidade Federal de Santa Catarina, 1989, 97p. (Dissertação de Mestrado).
WAMBERTO, José. O Nordeste e o Simbolismo. Jornal de Letras, Nov. 1974.
_________. Cruz e Sousa. O Fluminense. Niterói, 20 Abr. 1975.
XAVIER, Raul. Uma biografia de Cruz e Sousa. Jornal do Commércio. Rio, 16 Fev. 1962.

Links

Cruz e Sousa: Poeta simbolista
Mundo Cultural: Cruz e Souza

Um comentário

Comentários estão fechados.