El Día de Los Muertos

Comentários desativados em El Día de Los Muertos

Mais de 500 anos atrás, quando os conquistadores espanhóis desembarcaram no que é hoje o México, que encontraram nativos praticando um ritual que parecia zombar da morte. Era um ritual que os povos indígenas vinham praticando há pelo menos 3.000 anos. Um ritual que os espanhóis tentavam, sem êxito, erradicar. Um ritual conhecido hoje como o Día de los Muertos, ou Dia dos Mortos. O ritual é celebrado no México e em certas regiões dos Estados Unidos. Celebrações são realizadas anualmente em Mesa, Chandler, Guadalupe e na Universidade do Estado do Arizona.

Click here to read more.. »

História fevereiro 7th 2010

A feitiçaria tebana

Comentários desativados em A feitiçaria tebana

Feitiçaria Tebana

Segundo os Santificados, os membros da coalizão Lancea Sanctum são capazes de operar nada menos que milagres. Na verdade, a Lancea Sanctum conhece de fato uma forma poderosa de magia espiritual, mas se são ou não milagres é discutível.

Em algum momento após a formação da coalizão – supostamente no século III d.C. -, alguns de seus membros seguiram um exército romano até Tebas (ou “Thebias”, de acordo  com os fragmentos de um diário supostamente da época). Nessa cidade, uma legião de soldados cristãos foi recrutada entre os habitantes locais.

Quando os membros da coalizão acompanharam a legião tebana em sua marcha até a Gália, uma Santificada levou consigo os segredos dessa magia, que ela alegava ter aprendido com um anjo durante a sua jornada. Até hoje os membros da coalizão estudam e praticam essa feitiçaria, que é usada para ostentar seu poder, “demonstrar” sua condição de escolhido e punir aqueles que transgridem seus preceitos.

Click here to read more.. »

Devoções fevereiro 3rd 2010

As tradições

Comentários desativados em As tradições

Em  Vampiro O Réquiem também há tradições a serem preservadas, e que são vistas como indispensáveis para a sobrevivência dos vampiros. As justificativas para a adoção das tradições são as mais variadas dependendo da Coalisão a que se segue. Mesmo discordando dos motivos de sua criação e da origem dessas tradições, quase todas as coalisões concordam com o seu cumprimento. Claro que há muitas outras tradições e costumes que se originaram destas três principais, mas isso já é um assunto que exigiria uma análise mais aprofundada.

A Primeira Tradição: A Máscara

Não revelareis vossa verdadeira natureza àqueles que não pertencem ao Sangue. Se o fizerdes, perderei o direito ao Sangue.

A Segunda Tradição: A Progênie

Se gerardes outro como vós, que o risco seja vosso e de vossa progênie. Ao criardes um infante, o fardo será vosso e somente vosso.

A Terceira Tradição: O Amaranto

Não consumireis o sangue vivo de outro como vós. Se violardes este mandamento, a Fera reclamará vosso próprio Sangue.

O Cenário em Réquiem fevereiro 2nd 2010

London

Comentários desativados em London

“I decree today that life
Is simply taking and not giving
England is mine – it owes me a living
But ask me why, and I’ll spit in your eye
Oh, ask me why, and I’ll spit in your eye
But we cannot cling to the old dreams anymore
No, we cannot cling to those dreams
Does the body rule the mind
Or does the mind rule the body ?
I dunno…”

MAPAS

MAPA TURÍSTICO

MAPAS DA CIDADE

ROTAS DE ÔNIBUS

METRÔ

MAPAS DA INGLATERRA

Cidades janeiro 29th 2010

São Paulo

Comentários desativados em São Paulo

“As sirenes tocaram
As rádio avisaram
Que era pra correr
As pessoas assustadas
mal informadas
Puseram a fugir… sem saber do que
Pânico em SP, pânico em SP, pânico em SP (2x)
O jornal, a rádio, a televisão
Todos os meios de comunicação
Neles estavam estampados
O rosto de medo da população
Pânico em SP, pânico em SP, pânico em SP (2x)
Chamaram os bombeiros
Chamaram o exército
Chamaram a Polícia Militar
Todos armados
Até os dentes
Todos prontos para atirar
Pânico em SP, pânico em SP, pânico em SP
(2x)
Mas o que eles não sabiam
Aliás o que ninguém sabia
Era o que estava acontecendo
O que realmente acontecia
Pânico em SP, pânico em SP, pânico em SP (2x)”

MAPAS

Mapa do metrô ( é atual, mas por uma questão de facilidade, vamos considerá-lo como vigente à epoca)

Cidades janeiro 29th 2010

New York

Comentários desativados em New York

“Waves of fear, squat on the floor
looking for some pill, the liquor is gone
Blood drips from my nose, I can barely breathe
waves of fear, I’m too scared to leave
Waves of fear, waves of fear
waves of fear, waves of fear
I’m too afraid to use the phone
I’m too afraid to put the light on
I’m so afraid I’ve lost control
I’m suffocating without a word
Crazy with sweat, spittle on my jaw
what’s that funny noise, what’s that on the floor
Waves of fear, pulsing with death
I curse my tremors, I jump at my own step
I cringe at my terror, I hate my own smell
I know where I must be, I must be in hell
Waves of fear, waves of fear
waves of fear, waves of fear”

PRINCIPAIS BAIRROS


METRO

MAPA CENTRAL

MAPA ESTRADAS E AEROPORTOS

Cidades janeiro 29th 2010

Welcome to the Eighties

Comentários desativados em Welcome to the Eighties
A tecnologia já se faz cada vez mais próxima e presente na vida das pessoas, mas não tem ainda o caráter invasivo-onipresente que possui nos dias de hoje. O clima político reflete as tensões da guerra fria e as incertezas da economia mundial que começa a adotar os principios do neoliberalismo e inicia o processo que ficaria conhecido por nós como globalização.
A crise do petróleo provoca recessão e inflação no primeiro mundo, por outro lado o processo da automação, robotização e terceirização aumentam a produtividade da industria mas reduzem a necessidade de mão de obra, causando desemprego.

Essa postura “laissez-faire” do novo estado “liberal” em relação à economia vai cada vez mais afastando a visão do “welfare state” e dando asas a especuladores financeiros que lucraram até não poder mais, fazendo surgir os jovens yuppies, com seus ternos caros de grife, carros enormes e telefones sem-fio-tijolões, sonhando ganhar o primeiro milhão antes dos trinta anos. Essa também foi uma época de excessos…
Alguns conseguem seu primeiro milhão não com especulação financeira, mas com cocaína. Não falei que era uma década de excessos?
Pois bem, além da “Guerra Fria”, também havia essa outra guerra, bem quente, ela ainda não acabou, mas não preciso dizer quem anda perdendo as batalhas.

Na Inglaterra, Margareth Thatcher implantava sua política neoliberal a mão de ferro. Nos Estados Unidos o presidente Reagan segue com a política armamentista. O anúncio do projeto Guerra nas Estrelas e o aumento no contingente de armas nucleares, deixam o cenário político internacional cada vez mais tenso.

“Quem não é a nosso favor é contra nos”, diria Bush tempos depois, mas para muitos essa era há muito tempo, a visão dos Estados Unidos, que demonstrava conceber o mundo de maneira dualista e maniqueista. “Ou está com o bloco capitalista em defesa da democracia ou está contra nós, com os comunistas”.
Parecia mais fácil conceber um mundo assim, tudo preto-no-branco, até hoje as pessoas tem dificuldade com os tons de cinza.

No Brasil surge um clima de esperança pelo fim da ditadura militar, mas o que permanece ainda mais forte é a sensação de incerteza pelos diversos planos econômicos frustrados que se seguiriram e falhariam em conter o tal “dragão da inflação”. O tal dragão é que sempre acabava levando a melhor, e quem terminava a história sempre com a lança enfiada no, bem…é melhor esquecer…,era o povo.

O cenário para os jovens é de desesperança quanto ao futuro e de descrédito no presente.
Esse é o horizonte que vislumbra a chamada “geração perdida”. No cenário musical, a tal “geração perdida” mostrava contestação e desesperança, idealismo e mercantilização.

“Nos anos 60 acreditávamos que nossa música ía mudar o mundo, na década de 70 descobrimos que isso não era possível, e nos anos 80 aprendemos que poderíamos embalar isso e vender.”

Garotos espertos…

Essa não é uma aula de história, é só um exercício de reminescência…É sobre algo que aconteceu mas não comigo. Se foi tudo mesmo assim ou não, agora não sei mais.
História janeiro 29th 2010